Jornal de Letras

Siga-nos nas redes

Perfil

O homem que engolia tralha

Três Pastorinhos

  • 333

Começou por cabides e esferográficas e acabou por engolir toda a administração daquela empresa de têxteis onde trabalhava.

Mike Fingers

Começou por uma dieta baseada em sapos, que aliás se servem no refeitório da maioria dos locais de trabalho, mas rapidamente começou a engolir objetos.

Para entrada um cabide, uns clipes al ajillo e uns teclados de cabidela.

Em casa, para destemperar, engolia a seco o elevador com o vizinho lá dentro, (brigadeiro reformado de monóculo à Bismarck.)

Para sobremesa engolia uma tábua de passar a ferro, salteada com um televisor Blaupunkt com ecrã de plasma.

Era um funcionário bastante digestivo.

Foi advertido pelo diretor do economato que o ameaçou com um processo disciplinar.

Num ataque de voracidade engoliu a gravata do diretor do economato e meia dúzia de esferográficas para desenjoar.

Dirigiu-se aos Recursos Humanos, pediu um aumento em senhas de refeição.

Perante a intransigência do diretor de recursos humanos comeu-lhe os sapatos italianos, que estavam um bocado enzeitados.

Farto desta dieta, o homem engoliu toda a tralha do edifício, o que incluiu  a administração, a fotocopiadora e a máquina de despedir empregados que estava ao lado da do café.

Os sapos no charco rejubilaram com a nova dieta e o homem que engolia tralha pode, finalmente, beber um digestivo a olhar para o céu e a cantarolar uma música do Woody Guthrie.

Por fim arrotou, o presidente daquela empresa era de facto um bocado indigesto