Jornal de Letras

Siga-nos nas redes

Perfil

(IN)TOLERÂNCIA

As Sequências Rebeldes

  • 333

Joann Sfar é dos melhores autores contemporâneos, um daqueles cujos livros se oferecem a quem diz não gostar de BD. Mais uma excelente edição da ASA.(texto publicado no JL-Papel)

João Ramalho-Santos

<#comment comment=" /* Font Definitions */ @font-face {font-family:Arial; panose-1:2 11 6 4 2 2 2 2 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:auto; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:3 0 0 0 1 0;} @font-face {font-family:"&#65325;&#65331; &#26126;&#26397;"; panose-1:0 0 0 0 0 0 0 0 0 0; mso-font-charset:128; mso-generic-font-family:roman; mso-font-format:other; mso-font-pitch:fixed; mso-font-signature:1 134676480 16 0 131072 0;} @font-face {font-family:"&#65325;&#65331; &#26126;&#26397;"; panose-1:0 0 0 0 0 0 0 0 0 0; mso-font-charset:128; mso-generic-font-family:roman; mso-font-format:other; mso-font-pitch:fixed; mso-font-signature:1 134676480 16 0 131072 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-unhide:no; mso-style-qformat:yes; mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; mso-bidi-font-size:10.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"&#65325;&#65331; &#26126;&#26397;"; mso-fareast-theme-font:minor-fareast; mso-bidi-font-family:"Times New Roman";} p.MsoBodyTextIndent2, li.MsoBodyTextIndent2, div.MsoBodyTextIndent2 {mso-style-unhide:no; mso-style-link:"Body Text Indent 2 Char"; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; text-align:justify; text-justify:inter-ideograph; text-indent:1.0cm; line-height:150%; mso-pagination:none; mso-hyphenate:none; font-size:12.0pt; mso-bidi-font-size:10.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman"; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-no-proof:yes;} span.BodyTextIndent2Char {mso-style-name:"Body Text Indent 2 Char"; mso-style-unhide:no; mso-style-locked:yes; mso-style-link:"Body Text Indent 2"; mso-ansi-font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-language:EN-US; mso-no-proof:yes;} .MsoChpDefault {mso-style-type:export-only; mso-default-props:yes; font-size:10.0pt; mso-ansi-font-size:10.0pt; mso-bidi-font-size:10.0pt; mso-fareast-font-family:"&#65325;&#65331; &#26126;&#26397;"; mso-fareast-theme-font:minor-fareast; mso-fareast-language:JA;} @page WordSection1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:72.0pt 90.0pt 72.0pt 90.0pt; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;} div.WordSection1 {page:WordSection1;} ">

À primeira vista a banda desenhada de Joann Sfar na série O gato do rabino (ASA) engana pela simplicidade. O traço parece inacabado e frágil, mas no sentido utilitário, não necessariamente pensado enquanto ferramenta poética (como em Lorenzo Mattotti). Não há um conceito de página como um todo, repetem-se unidades de seis vinhetas com igual tamanho (três filas de dois desenhos cada), dando ideia que poderiam ser remontadas das mais diversas maneiras. É uma escolha consciente: está em causa a legibilidade, o desenho enquanto receptáculo. Em O gato do rabino mais importante é A Palavra. Não só ao nível do argumento propriamente dito, mas porque a série utiliza como fulcro a interpretação de leis e textos religiosos. O facto de Sfar conseguir transformar discussões (aparentemente) esotéricas ilustradas com um traço funcional numa banda desenhada espantosa mostra bem porque é um dos melhores autores contemporâneos, que tem tudo para atrair leitores de todos os quadrantes.

O poder de O gato do rabino está, não só na falsa aparência de singeleza, mas nos múltiplos elementos e camadas. Inspirada pela história familiar do autor a série tem esse elemento nostálgico, sendo passada sobretudo na Argélia ainda sob domínio francês. Há uma dupla sensação de distância: no sentido histórico, e enquanto afastamento de uma metrópole quase desconhecida. O ambiente político envolvendo, por um lado, a situação colonial e, por outro, o enquadramento das minorias judias (a da família Sfar) e cristãs face à maioria muçulmana surge como foco contínuo de tensão, sendo detectáveis movimentos embrionários como o sionismo ou o nacionalismo independentista árabe, para além do (já histórico) antissemitismo (quer local, quer testemunhado, por exemplo, na Rússia pós-Revolução comunista) ou do inevitável racismo disparando em todas as direções. E ainda o papel das mulheres. É nessa perspetiva que são introduzidas, por vezes com grande pormenor, discussões de cariz religioso, e de como podem (ou não) justificar diferentes posições sociopolíticas e culturais. A preponderância é para leis e textos judaicos (Tora, Talmude, Cabala) debatidos por rabinos sempre prontos a discordar uns dos outros, mas há igualmente uma polinização cruzada com a Bíblia e o Corão. África enquanto terra de exotismo aventureiro e refúgio das mais diversas e excêntricas personalidades é um outro motivo reconhecível na série, onde se notam ainda constantes citações. A mais óbvia encontra-se na segunda história deste álbum duplo (reunindo os volumes 4 e 5 da série, numa excelente iniciativa da ASA), uma dura crítica a "Tintin no Congo", usando com simplicidade a obra de Hergé contra si mesma. Por último temos a componente de fábula, desde logo corporizada no gato-narrador que dá nome à série, e que comunica (por vezes) com (alguns) humanos, mas sempre com outros animais, funcionando a sua antropomorfização como pontuação/contraponto das narrativas humanas. O papel equívoco da serpente em O paraíso terrestre é particularmente brilhante.

A riqueza e diversidade de O gato do rabino neutraliza um pouco os elementos mais pesados do argumento, com Sfar a conseguir passar uma mensagem de tolerância inteligente, lúcida e crítica recorrendo a diferentes estratégias, embora por vezes a sua urgência possa ser quase contra-produtiva quando sente a necessidade de forçar alegorias (como em Jerusalém de África). Mas, e aqui se fecha um pouco o círculo, o texto tem uma intensidade cuja estridência é esbatida pelo estilo gráfico, resultando num todo que é claramente indissociável. A grande banda desenhada é isto.

 

 

O gato do rabino, volumes 4 e 5: O paraíso terrestre/Jerusalém de África. Argumento e desenhos de Joann Sfar. ASA; 136 pp., 21,90 Euros.