Lisboa, 20 ago (Lusa) -- O ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, defendeu hoje que "Portugal será na Europa o que trouxer à Europa, de fora da Europa", realçando a capacidade de "estabelecer pontes com mercados importantes da economia global".

Na cerimónia de formalização do acordo de financiamento entre a EDP e o China Development Bank, no valor de 1.000 milhões de euros, Paulo Portas disse que "ficou à vista, durante a privatização da EDP, que Portugal é economicamente um país capaz de estabelecer pontes e ligações estratégicas com mercados importantes da economia global".

"Estou convicto que Portugal será na Europa muitas vezes o que trouxer à Europa, de fora da Europa", declarou, adiantando que passa muito tempo a "trabalhar no progresso das relações entre Portugal e a China".