Os economistas germânicos manifestam ainda, no mesmo relatório, publicado parcialmente no matutino Frankfurter Allgemeine, dúvidas quanto à sustentabilidade das dívidas da Espanha, Irlanda, e Itália, que só poderá ter êxito "se todas as reformas estruturais e medidas de consolidação orçamental anunciadas forem implementadas", advertem.

Caso algumas previsões se revelam demasiado otimistas, se a recessão nestes países se aprofundar, por exemplo, ou o crescimento económico nos próximos anos for menor do que se espera, "a Espanha e a Itália terão dificuldades em refinanciar as suas dívidas públicas", indicam os institutos germânicos.