Visão Solidária

Siga-nos nas redes

Perfil

Voluntariado internacional

Voluntariado

Luís Barra

Em tempo de férias, os estudantes podem escolher ser voluntários em Moçambique ou São Tomé, mas as inscrições são agora. No Dia Internacional do Voluntário, a Cruz Vermelha apela aos Governos para criarem legislação sobre voluntariado 

Conhecer um país africano é sempre uma experiência enriquecedora. Ir em regime de voluntariado, interagindo e deixando uma marca de mudança, pode fazer a diferença. É por isso que a AHEAD, Associação Humanitária de Educação e Apoio ao Desenvolvimento está a convidar jovens estudantes universitários para projetos de voluntariado em dois países africanos: Moçambique e São Tomé.

As viagens vão realizar-se em julho e agosto (período de férias), mas as inscrições terminam já no dia 9 de dezembro. Podem inscrever-se (em www.ahead.org.pt) alunos de todas as universidades da zona de Lisboa, sabendo que em Moçambique, por exemplo, podem ser chamados a leccionar módulos ligados às suas áreas de formação.

Há quatro fases de seleção e/ou preparação para o projeto que decorrem nos meses anteriores à viagem. Até dezembro serão escolhidos 80 voluntários que podem vir a integrar as equipas finais. Entre janeiro e abril haverá algum trabalho em Portugal, ao nível de organização de eventos para angariar fundos de forma a minimizar os orçamentos das viagens. Em abril e maio serão escolhidos os grupos finais de viajantes. E em maio e junhoas equipas começam a preparar o trabalho no terreno.

Em 2012, a AHED teve 384 inscrições para programas de voluntariado, em Portugal e lá fora; 72 voluntários participaram efetivamente m ações solidárias; foram prestadas 630 horas de apoio escolar a alunos dos 1º e 2º ciclos e 112 horas de formação a alunos universitários; e 2.181 pessoas foram apoiadas por iniciativas da AHEAD. 

APELO PELO VOLUNTARIADO 

No âmbito do Dia Internacional do Voluntariado, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho está a lançar um apelo a alguns Governos para que elaborem legislação forte sobre essa missão de assistência, nomeadamente garantindo a existência de seguros para todos os que partem para missões de salvamento.

Os voluntários são muitas vezes os primeiros a chegar a cenários de emergência ou de pós desastre que representam perigo ou instabilidade e precisam de leis que os protejam ou que assegurem que eles não perdem benefícios (tais como subsídios de desemprego ou pensões).

"Apelamos aos governos para trabalharem connosco para tornar o trabalho e a vida destes voluntários mais segura e fácil", explica Bekele Geleta, secretário-geral da Cruz Vermelha. "No final do ano passado, na nossa Conferência Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, 164 governos apoiaram este apelo para tornar o voluntariado mais seguro e fácil", acrescenta Geleta.