Visão Solidária

Siga-nos nas redes

Perfil

FOTOS: E a liberdade ali...

Voluntariado

  • 333

Gonçalo Rosa da Silva

O contador de histórias Filipe Lopes foi mostrar um outro mundo a 30 reclusos da Penitenciária de Lisboa. Porque A Poesia Não Tem Grades. Veja a Galeria de Fotos

Autocolante do MRPP contra as políticas de António Spínola e de Álvaro Cunhal
1 / 12

Autocolante do MRPP contra as políticas de António Spínola e de Álvaro Cunhal

Autocolante do PPD para as primeiras eleições livres, as legislativas de 25 de abril de 1975
2 / 12

Autocolante do PPD para as primeiras eleições livres, as legislativas de 25 de abril de 1975

Autocolante das comemorações oficiais do 25 de abril de 1979, resultante de um concurso lançado nas escolas no ano anterior
3 / 12

Autocolante das comemorações oficiais do 25 de abril de 1979, resultante de um concurso lançado nas escolas no ano anterior

Autocolante do MRPP - Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado, ainda antes de ter mudado o nome para Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses, com a sigla PCTP/MRPP, em dezembro de 1976
4 / 12

Autocolante do MRPP - Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado, ainda antes de ter mudado o nome para Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses, com a sigla PCTP/MRPP, em dezembro de 1976

Desenho do pintor João Abel Manta para o Movimento das Forças Armadas, em 1975
5 / 12

Desenho do pintor João Abel Manta para o Movimento das Forças Armadas, em 1975

Autocolante da base de Campo de Ourique do Movimento Democrático Português – Comissão Democrática Eleitoral, MDP-CDE
6 / 12

Autocolante da base de Campo de Ourique do Movimento Democrático Português – Comissão Democrática Eleitoral, MDP-CDE

Autocolante da secção do Lavradio do Partido Socialista, numa campanha de fundos para financiar o partido. Muitos destes autocolantes eram produzidos com o intuito de serem vendidos e assim se recolherem fundos para os partidos
7 / 12

Autocolante da secção do Lavradio do Partido Socialista, numa campanha de fundos para financiar o partido. Muitos destes autocolantes eram produzidos com o intuito de serem vendidos e assim se recolherem fundos para os partidos

Autocolante da Associação de Moradores da Relvinha, um bairro de barracas em Coimbra que, depois do 25 de abril, aderiu ao projecto SAAL e deu início à auto-construção de novas casas
8 / 12

Autocolante da Associação de Moradores da Relvinha, um bairro de barracas em Coimbra que, depois do 25 de abril, aderiu ao projecto SAAL e deu início à auto-construção de novas casas

Autocolante do núcleo de Beja dos Pioneiros de Portugal, a organização infantil do PCP onde as crianças e jovens militavam até aos 13 anos
9 / 12

Autocolante do núcleo de Beja dos Pioneiros de Portugal, a organização infantil do PCP onde as crianças e jovens militavam até aos 13 anos

Autocolante para o primeiro aniversário do 25 de Abril, em 1975, pela «dinamização social» e a «ação cívica»
10 / 12

Autocolante para o primeiro aniversário do 25 de Abril, em 1975, pela «dinamização social» e a «ação cívica»

Autocolante do MRPP contra as políticas de António Spínola e de Álvaro Cunhal
11 / 12

Autocolante do MRPP contra as políticas de António Spínola e de Álvaro Cunhal

Autocolante do Movimento Democrático de Mulheres, criado ainda durante o regime de Salazar, em 1968, e legalizado depois do 25 de Abril
12 / 12

Autocolante do Movimento Democrático de Mulheres, criado ainda durante o regime de Salazar, em 1968, e legalizado depois do 25 de Abril

À chegada, Filipe Lopes recebe um chapéu, porque dele esperam magia não uma fuga literal, mas um escape, pela poesia. Ou como ele diz, "uma bebedeira de letras, com menos efeitos secundários do que os outros vícios que os conduziram às celas". Numa sala de aula da Penitenciária de Lisboa, há perto de 30 presos a aguardar com expectativa o momento, como se ele, Filipe, fosse tirar poemas da cartola. "Faço-o, porque há muitos anos li um texto que fez a diferença na minha vida", explica-se o contador profissional de histórias, 36 anos, sobre levar poemas às cadeias portuguesas.

No quadro, a frase A Poesia Não Tem Grades. Nas paredes em volta, um cartaz acerca dos direitos humanos "Lê e divulga, quem sabe a humanidade sai do papel" e mapas do mundo e do nosso corpo. É março, mês da poesia, e a sessão começa por celebrar os seus autores. "Ser poeta é.", e as estrofes seguintes são logo reconhecidas, mesmo por quem, entre a audiência, levantou a mão para assinalar que gosta de futebol e música, mas não de ler e muito menos poemas. Filipe troca-lhes as voltas: "Quem conhece a canção dos Trovante, gosta de poesia!"

BEBEDEIRAS DIVERSAS

Conquistada a plateia, Filipe Lopes recita-lhes uma ementa diversa, que inclui Mário Cesariny, António Lobo Antunes ou António Gedeão. Incontornável, para o declamador, é Na Hora de Pôr A Mesa, de José Luís Peixoto porque fala de pratos sem dono sobre a toalha. E quem ali está também falta à mesa de alguém. Mas, sobretudo, Filipe puxa pelo poema que mudou a sua própria vida: Devemos Andar Sempre Bêbados, de Charles Baudelaire, explicando-lhes que tanto pode ser de vinho, de virtude ou de poesia.

Das janelas, vê-se um pátio, roupa num estendal e gente a deambular. Filipe já agarrou outro poema, diz-lhes que "o passado é inútil como um trapo", verso de Adeus, de Eugénio de Andrade. E outro: "Uma nêspera deitada, descansada, em cima da cama, a ver o que acontecia", arranque de Rifão Quotidiano, de Mário-Henrique Leiria, para lhes contrariar o conformismo. E mais um, depois de interpelar o guarda, no fundo da sala: "Não leve a mal.", para colocar de novo a voz, "Avisam-se todas as polícias, fugiu um homem...", versos de Chamada Geral, igualmente daquele autor.

Depois, uma surpresa, quando um dos ouvintes se levanta, com um papelinho na mão: "Como pode o ser humano adaptar-se à situação." O recluso Paulo Rocha, 40 anos, confessa que, na noite anterior, se sentira inspirado pela sessão que aí vinha e alinhavara aquelas palavras. No fim, as palmas soam ainda mais fortes.

Para Filipe Lopes, não há melhor sensação, ele que começou a declamar em prisões em 2004. Formado em Psicologia, o rosto do projeto Contador de Histórias não tem dúvidas: "Faço mais pela saúde mental das pessoas lendo-lhes poemas do que no meu gabinete a dar consultas." Em pouco mais de uma hora, prova-se a máxima do chileno Pablo Neruda: "A poesia não é de quem a escreve mas de quem dela necessita."

Menu

Convocar emoções

Algumas escolhas poéticas de Filipe Lopes para libertar os prisioneiros

Devemos Andar Sempre Bêbados

Charles Baudelaire

Na Hora de Pôr A Mesa

José Luís Peixoto

Rifão Quotidiano

Mário-Henrique Leiria

Adeus

Eugénio de Andrade