Visão Solidária

Siga-nos nas redes

Perfil

Dar a volta II

Henrique Pinto

  • 333

Fizemos novas pós-graduações, tornámo-nos consultores, peritos, empreendedores, viajámos de norte a sul, até emigrámos, regressámos ao interior do país, criámos o nosso próprio negócio..., e mesmo assim, trazemos na boca a amarga sensação de não termos ainda conseguido dar a volta

Houve em tempos uma mulher,

mãe de um único filho,

que lhe disse, concluídos apenas os 18 anos,

que lhe daria, como legado, tudo o que tinha,

com a condição que havia de o repartir na totalidade,

por quem mais necessitasse.

E ainda o serenou,  

tomando-o pela mão,

que caso viesse a encontrar-se em dificuldade,

regressasse a casa.

 

O filho aceitou o desafio.

Recebeu de sua mãe tudo o que tinha

e partiu,

determinado a distribuir,

por quem encontrasse aflito,

o que lhe tinha sido confiado.

 

Mas para espanto de muitos, lá na terra,

o filho começou a voltar a casa

repetidas vezes,

fazendo tesouro,

não só do que tinha recebido da mãe,

mas de outra tanta e extraordinária riqueza,

que se multiplicava,

lhe trazia indizível felicidade,

e que, por isso,

fazia questão de a partilhar pessoalmente com a mãe.

 

Com o passar dos anos,

a fortuna foi-se tornando ainda maior.

Mas o que tornava o regresso a casa,

ainda mais frequente,

já não era estranhamente a alegria do sucesso.

Eram a perda de saúde, a depressão, a solidão...,

quem chamava constantemente pelo aconchego da mãe

 

Apesar do incumprimento,

a mãe nunca lhe exigira a herança de volta.

Também nunca nada comentara

que o filho não soubesse ou recordasse.

 

Um dia, estando muito doente em casa, e quase sem forças,

voltou a partir, desta vez, porém, para nunca mais voltar.

 

Apenas o veríamos passar de fugida por casa da mãe,

para a assegurar,

que tinha finalmente conseguido cumprir a promessa,

e lhe sussurrar, num abraço feliz de despedida,

 

que quando tudo se partilha e se dá, sem receio ou medo algum de se ficar sem nada, o que se tem de volta é de verdade o que todos normalmente mais temem perder: liberdade, saúde, segurança, felicidade, alegria, amigos, trabalho...