Visão Solidária

Siga-nos nas redes

Perfil

Henrique Pinto

Henrique Pinto

Henrique Pinto

Fundador da Impossible - Passionate Happenings

Único caminho capaz de terminar com a pobreza

  • 333

Por uma revolução interior de cada um, de todas as organizações e poderes

Não é possível erradicar a pobreza:

1. Sem que cada um se dispa dos seus excessos, num corajoso abraço a uma revolução interior;

2. Sem que cada um viva a felicidade do suficiente - não são as coisas que nos fazem felizes, mas a qualidade das nossas relações;

3. Sem que nos libertemos da solidariedade burguesa da esmola, a dos bancos alimentares, a da moeda, a dos sacos de comida e tantas sobras;

4. Sem que os excessos se tornem disponíveis para fomentar a formação e a criação de postos de trabalho;

5. Sem que formação não eduque para a dignidade de todas as coisas, significando a dignidade o total respeito por si, a autenticidade e a responsabilidade ética e moral;

6. Sem que o direito a não ser pobre não compreenda antes de mais o dever de não ser pobre;

7. Sem que cada um, no respeito por si, procure fazer da sua vida uma vida bem-sucedida (que não é a mesma coisa que dizer uma vida de sucesso);

8. Sem que quem vive e decida viver a felicidade dos excessos não seja severamente taxado pelo Estado e esses impostos sirvam não os subsídios, mas a educação e o trabalho;

9. Sem que as organizações da sociedade civil deixem de ter dinheiros parados e investidos em capitalizações, acções;

10. Sem que quem governa consiga mínimos de bem-estar ou de bem comum para todos;

11. Sem que um dia a pobreza se criminalize como mãe de todos os males e violadora de deveres e direitos fundamentais.

Com total otimismo, não acredito:

- Na grande maioria das organizações de hoje, oriundas de uma economia burguesa, neoliberal, e por isso também elas burguesas, neoliberais;

- Nas organizações que dizem querer o fim da pobreza, mas não se despem dos seus excessos;

- Nas estratégias nacionais de combate à pobreza, quando servem sobretudo para distribuir dinheiros pelas organizações e fomentar a subsidiodependência;

O que actual Papa Francisco diz não é mais que o que milhares de vozes no terreno dizem e fazem há já muito tempo, no quadro apenas desta nossa e minha geração, sem no entanto, e infelizmente, encontrarem, nos líderes de organizações, líderes religiosos, políticos e em tantos outros, a coragem de serem seus reais e verdadeiros porta-vozes.

Por isso, hoje há que ouvir menos quem está no poder e ouvir mais as nossas avós e as crianças, quem no terreno luta por uma justiça para todos. Ali sim devem estar os jornais, as rádios, as televisões, os media, as redes sociais...