Visão Solidária

Siga-nos nas redes

Perfil

Malala inspira documentário sobre direitos das meninas

Juniores e Seniores

  • 333

Celebra-se hoje o Dia Internacional da Rapariga. Em Portugal, a data será assinalada com a exibição de um documentário narrado por atrizes como Meryl Streep e Anne Hathaway. Veja o trailer

A pequena Ruksana vive com a família nas ruas de Calcutá, Índia. Apesar das dificuldades, não deixa de ir à escola e adora matemática e geografia.
1 / 19

A pequena Ruksana vive com a família nas ruas de Calcutá, Índia. Apesar das dificuldades, não deixa de ir à escola e adora matemática e geografia.

Ruksana dá rosto a uma das nove histórias que fazem parte do documentário Girl Rising, que alerta para os problemas que meninas e jovens mulheres enfrentam todos os dias. Em particular, o difícil acesso à educação.
2 / 19

Ruksana dá rosto a uma das nove histórias que fazem parte do documentário Girl Rising, que alerta para os problemas que meninas e jovens mulheres enfrentam todos os dias. Em particular, o difícil acesso à educação.

A ONU estima que 66 milhões de meninas estão impedidas de aprender a ler, em todo o mundo.
3 / 19

A ONU estima que 66 milhões de meninas estão impedidas de aprender a ler, em todo o mundo.

Aos 6 anos, Suma tornou-se empregada doméstica na casa de um vizinho, enquanto os seus irmãos, do sexo masculino, iam à escola. Uma história como muitas outras no Nepal e noutros países do mundo.
4 / 19

Aos 6 anos, Suma tornou-se empregada doméstica na casa de um vizinho, enquanto os seus irmãos, do sexo masculino, iam à escola. Uma história como muitas outras no Nepal e noutros países do mundo.

Suma conseguiu libertar-se e, agora, é uma estudante de sucesso. Adora cantar e ajuda outras meninas a conseguirem ir à escola.
5 / 19

Suma conseguiu libertar-se e, agora, é uma estudante de sucesso. Adora cantar e ajuda outras meninas a conseguirem ir à escola.

Aos 7 anos, Wadley testemunhou a destruição do terramoto que abalou o Haiti, há três anos. A sua escola foi mais uma das que ficou destruída.
6 / 19

Aos 7 anos, Wadley testemunhou a destruição do terramoto que abalou o Haiti, há três anos. A sua escola foi mais uma das que ficou destruída.

Só quando regressou à escola é que Wadley recuperou o sorriso. Ciências é a sua disciplina preferida, mas também adora tirar fotografias para oferecer à família e amigos.
7 / 19

Só quando regressou à escola é que Wadley recuperou o sorriso. Ciências é a sua disciplina preferida, mas também adora tirar fotografias para oferecer à família e amigos.

Senna tem o nome, e a coragem, de uma princesa guerreira. A sua paixão é escrever poesia e ajudar outras meninas como ela.
8 / 19

Senna tem o nome, e a coragem, de uma princesa guerreira. A sua paixão é escrever poesia e ajudar outras meninas como ela.

Originária de uma família de mineiros, Senna foi incentivada pelo pai a não desistir da escola.
9 / 19

Originária de uma família de mineiros, Senna foi incentivada pelo pai a não desistir da escola.

Com a sua força, a pequena guerreira conseguiu reunir várias organizações sem fins lucrativos que vão melhorar as condições do saneamento da escola.
10 / 19

Com a sua força, a pequena guerreira conseguiu reunir várias organizações sem fins lucrativos que vão melhorar as condições do saneamento da escola.

Amina foi forçada a casar-se aos 12 anos e teve um filho quando ainda era criança. A ONG 10x10 conseguiu resgatá-la, mas mantém o seu paradeiro secreto, algures no Afeganistão, o que levou o realizador a optar por uma atriz para contar esta história.
11 / 19

Amina foi forçada a casar-se aos 12 anos e teve um filho quando ainda era criança. A ONG 10x10 conseguiu resgatá-la, mas mantém o seu paradeiro secreto, algures no Afeganistão, o que levou o realizador a optar por uma atriz para contar esta história.

Quando ONG 10x10 se cruzou com Yasmin esta menina egípcia tinha 13 anos, estava prestes a casar e nunca tinha ido à escola.
12 / 19

Quando ONG 10x10 se cruzou com Yasmin esta menina egípcia tinha 13 anos, estava prestes a casar e nunca tinha ido à escola.

A organização procurou convencer a mãe de Yasmin a inscrevê-la na escola e a cancelar o casamento, mas a família considerou o casamento um investimento mais seguro. Atualmente, o paradeiro da menina é desconhecido.
13 / 19

A organização procurou convencer a mãe de Yasmin a inscrevê-la na escola e a cancelar o casamento, mas a família considerou o casamento um investimento mais seguro. Atualmente, o paradeiro da menina é desconhecido.

A etíope Azmera, 13 anos, estava destinada a casar-se ainda criança, mas o seu irmão mais velho lutou para conseguir mantê-la na escola, após a morte do pai.
14 / 19

A etíope Azmera, 13 anos, estava destinada a casar-se ainda criança, mas o seu irmão mais velho lutou para conseguir mantê-la na escola, após a morte do pai.

Azmera quer ser professora para educar outras meninas e ajudá-las a escapar a um destino de servidão.
15 / 19

Azmera quer ser professora para educar outras meninas e ajudá-las a escapar a um destino de servidão.

Sokha cresceu sem pais e foi obrigada a apanhar lixo nas ruas do Camboja para sobreviver.
16 / 19

Sokha cresceu sem pais e foi obrigada a apanhar lixo nas ruas do Camboja para sobreviver.

Hoje, estuda numa das escolas mais prestigiadas do país e é uma aluna de sucesso, que dá explicações às meninas mais novas.
17 / 19

Hoje, estuda numa das escolas mais prestigiadas do país e é uma aluna de sucesso, que dá explicações às meninas mais novas.

Mariama vive na Serra Leoa e é a primeira da sua família a frequentar a escola. Com a ajuda do seu programa de rádio, luta para que mais meninas do seu país possam ir à escola.
18 / 19

Mariama vive na Serra Leoa e é a primeira da sua família a frequentar a escola. Com a ajuda do seu programa de rádio, luta para que mais meninas do seu país possam ir à escola.

Com a ajuda de uma jornalista, Mariama ajudou a elaborar um relatório sobre a igualdade de género na Serra Leoa. Sonha chegar à universidade e tornar-se cientista.
19 / 19

Com a ajuda de uma jornalista, Mariama ajudou a elaborar um relatório sobre a igualdade de género na Serra Leoa. Sonha chegar à universidade e tornar-se cientista.





Milhões de pessoas continuam a seguir com emoção a história de Malala, a menina paquistanesa que os talibans alvejaram quando ia a caminho da escola, por não aceitarem o seu direito a estudar. Mas há mais crianças, um pouco por todo o mundo, que são discriminadas e violentadas apenas por serem do sexo feminino.

Alertando para essa realidade, as Nações Unidas criaram o Dia Internacional da Rapariga, que se celebra hoje, 11 de outubro.

Este ano, o foco da campanha será o direito à Educação (66 milhões de meninas estão impedidas de aprender a ler) e esse é precisamente o tema do documentário Girl Rising, que se estreia em Portugal nesta data, no Teatro do Bairro, em Lisboa, com o apoio da organização Sapana. Nele se contam as histórias de nove pequena heroínas, de países como o Haiti ou o Afeganistão, narradas pelas vozes poderosas de atrizes como Meryl Streep e Anne Hathaway.

Qualquer pessoa pode organizar um visionamento do filme: precisa apenas de garantir a venda de 100 bilhetes. Todas as receitas revertem a favor do projeto internacional 10x10, que apoia a educação de raparigas em países em desenvolvimento.

Veja o trailer do documentário: