Visão Solidária

Siga-nos nas redes

Perfil

A celebrar 50 anos de carreira

Envelhecimento Ativo

  • 333

DR

Anunciado para setembro, Tempest, o novo álbum de Bob Dylan, é lançado meio século após a estreia discográfica do cantautor norte-americano. OIÇA AQUI DUAS MÚSICAS DO NOVO ÁLBUM

 Aos 71 anos, para além de continuar ativo no lançamento de novos discos, Bob Dylan andou em digressão pela Europa. Em agosto, a tournée atravessou o Atlântico e seguiu pelo Canadá e pelos EUA. Agora, a alguns dias de Setembro é anunciado Tempest, o seu 35º disco de estúdio, com data de lançamento marcada para 10 de setembro.

Composto por 10 temas inéditos produzidos pelo próprio cantautor norte-americano, sob o pseudónimo Jack Frost, o novo disco é lançado no ano em que passam cinco décadas sobre a estreia discográfica de Bob Dylan. Em 1962, o álbum homónimo do então jovem de 19 anos incluía standards da música folk e duas canções da autoria de Dylan. "Tempest" surge três anos após "Together Through Life", que nos EUA e no Reino Unido chegou ao primeiro lugar dos tops de vendas, e "Christmas in the Heart", o primeiro álbum do músico com temas de Natal.

EM NOME DA LIBERDADE

Nascido Robert Allen Zimmerman a 24 de maio de 1941 em Duluth, no Minnesota, o músico adotou o seu nome artístico influenciado pelo poeta Dylan Thomas. Bob Dylan acabaria também ele por tornar-se num artista que deu tanta importância à letra das canções como à sua música. Na década de 1960, temas como "Blowin' In The Wind" e "The Times They Are a-Changin'" tornaram-se verdadeiros hinos contra a guerra no Vietname e a favor dos direitos civis nos EUA.A passagem do registo folk acústico para a eletricidade do rock, apesar de controversa, acabou por continuar a influenciar os mais variados artistas da época.

Homenageado por Barack Obama em maio passado - "todos estes anos depois, ele ainda persegue aquele som, continua a procurar a verdade", elogiou o presidente norte-americano - Bob Dylan foi uma das 13 personalidades distinguidas com a Medalha da Liberdade, o mais alto reconhecimento a um civil nos EUA. "Não existe um gigante maior na história da música norte-americana", disse ainda o presidente dos EUA. "Hoje em dia, toda a gente, desde o Bruce Springsteen aos U2, deve muito ao Bob."