Visão Solidária

Siga-nos nas redes

Perfil

Pulseira eletrónica alerta nas redes sociais que um ativista está a ser vítima de um ataque

Atualidade

  • 333

DR

Os casos de ativistas dos Direitos Civis atacados em cenários de tensão repetem-se. A pulseira lançada pelo Natalia Project pretende mudar essa realidade

A pulseira em defesa dos Direitos Civis foi criada na sequência do assassínio de Natalia Estemirova. Em 2009, a ativista russa foi raptada da sua própria casa, em Grozni, na Chechénia, e executada a poucos quilómetros de distância.

O Natalia Project surge com o objetivo de evitar que outros ativistas sejam mortos quando trabalham em cenários perigosos.

Basta um simples puxão na pulseira para ativar o alarme. A localização GPS do local do ataque é, depois, transmitida para o gabinete da organização de Defesa dos Direitos Civis, sedeada em Estocolmo, e para as pessoas que estejam mais próximas do ativista atacado.

Também nas redes sociais, como o Facebook ou Twitter, os amigos ou seguidores da vítima são avisados, alargando, desta forma, o leque de pessoas que podem alertar as autoridades.

O primeiro objetivo do projeto é monitorizar 55 ativistas dos direitos civis no próximo ano e meio e conseguir o apoio de patrocinadores particulares ou empresariais para alargar a proteção a mais pessoas.