Visão Solidária

Siga-nos nas redes

Perfil

O verdadeiro anjo de cartão

Atualidade

  • 333

Luís Barra

Um "passe" inovador dá descontos em medicamentos, refeições ou apoio jurídico aos mais carenciados de uma freguesia da capital

Sem saber ler nem escrever, Noémia Maria, 76 anos, acredita piamente nos conselhos da técnica de ação social, Joana Clemente. Depois de uma vida inteira a trabalhar numa loja de artesanato da Baixa de Lisboa ficou com uma reforma de 256 euros. Sem o apoio dos três filhos - todos emigrados em França, dois dos quais até já perdeu o rasto -, uma vez por mês a alentejana de Santiago do Cacém recebe um saco do Banco Alimentar. Moradora na freguesia dos Anjos há 48 anos, conta com os perecíveis desde 2010, quando chegou ao fim a sua colaboração remunerada de cinco anos no Centro de Dia Nossa Senhora dos Anjos. Lugar onde, curiosamente, agora almoça e lancha.

Noémia é apenas uma entre cerca de 110 pessoas, num total de 60 agregados familiares, que recorreu ao apoio da ação social da Junta de Freguesia dos Anjos. A maior novidade do recém-lançado cartão solidário Anjo Mais é reunir todos os benefícios num só "documento", tornando a situação de carência menos estigmatizante. "Ainda há muita pobreza envergonhada e negligência familiar", assegura Joana Clemente. Num universo de 9 300 habitantes, aproximadamente, os pedidos de apoio vão aumentar. De seis em seis meses os casos serão reavaliados, mediante esta fórmula: aos rendimentos são subtraídas as despesas, o remanescente é dividido pelo número de pessoas do agregado e esse valor per capita determina o acesso ao cartão Anjo Mais.

Na farmácia, onde gasta 30 euros em medicamentos para a diabetes e a tensão alta, Noémia verá a fatura descer para metade. A verba disponibilizada para custear despesas nas seis farmácias aderentes, resulta da poupança feita nas iluminações natalícias. Se chegar uma carta do seu senhorio, poderá ir a uma consulta jurídica para perceber os seus direitos no que à lei das rendas de casa diz respeito. Nos próximos 18 meses está dispensada de pagar a quota de serviço cobrada pela EPAL. E, depois de uma cirurgia ortopédica, marcada para maio, vai inscrever-se, gratuitamente, na natação e na universidade sénior.