Visão Solidária

Siga-nos nas redes

Perfil

Lista de espera cresce na cantina das Caldas da Rainha

Atualidade

  • 333

José Caria

As refeições servidas na cantina social da Misericórdia das Caldas da Rainha não chegam para o aumento dos pedidos no concelho, onde mais de 200 inscritos aguardam a abertura de mais duas cantinas

"Há pelo menos 200 pessoas inscritas para receberem refeições e, face ao aumento do número de pessoas, a Segurança Social já assinou um protocolo com duas instituições do concelho para poderem fazer um reforço", disse à Lusa a vereadora da Acção Social, Conceição Pereira.

O concelho é actualmente servido apenas por uma cantina social com protocolo firmado com a Segurança Social, a funcionar em instalações da Santa Casa da Misericórdia das Caldas da Rainha.

As refeições servidas na cantina social eram, até ao início da semana, confeccionadas na cozinha da Santa Casa da Misericórdia, sendo a sua capacidade reduzida à confecção de 40 pratos completos.

O número é manifestamente insuficiente já que, segundo o provedor da instituição, Lalanda Ribeiro, há "mais de 200 pessoas, cerca de 65 agregados familiares, em lista de espera".

Para suprir a necessidade de confeccionar mais refeições, a câmara ofereceu à Misericórdia, na segunda-feira, uma trituradora industrial que "vai permitir aumentar para 100 refeições diárias", concretizou a vereadora.

O aumento fica ainda assim aquém dos pedidos, pelo que, de acordo com a vereadora, o município espera que "nas próximas semanas comecem a funcionar mais duas cantinas no âmbito de contratos celebrados com a Associação Cultural e Recreativa do Nadadouro e o Centro Fonte Santa da Serra do Bouro".

Embora localizadas em freguesias do concelho, as duas novas cantinas sociais deverão "não apenas dar apoio nas suas freguesias, mas também contribuir para resolver alguns problemas da cidade, quer os já identificados quer outras situações" que ainda estão a ser analisadas, acrescentou.

A câmara pretende ainda reforçar "o trabalho em rede destas e de outras entidades", estando a realizar reuniões com os directores dos agrupamentos de escolas para identificar situações em que exista necessidade de fornecer refeições ou complementos alimentares às famílias das crianças