Visão Solidária

Siga-nos nas redes

Perfil

Amigos criam revista dedicada ao tema da deficiência

Atualidade

  • 333

José Carlos Carvalho

A revista Plural&Singular está disponível online e pretende dar visibilidade ao tema da deficiência, fugindo ao preconceito do "coitadinho". A VISÃO Solidária falou com uma das impulsionadoras do projeto

A próxima edição da revista Plural&Singular já está a ser preparada. O segundo número estará online no início de março.

A equipa é composta por duas jornalistas, Sofia Pires e Paula Teixeira, 28 anos e por Pedro Lobado, 31 anos, responsável pela área comercial. Nenhum deles é portador de deficiência, mas sentiram que havia espaço para a uma publicação como esta.

Depois, há os muitos amigos que vão ajudando e dando conselhos úteis. Várias instituições colaboram com o projeto, como a Associação Portuguesa de Deficientes, a Associação Portuguesa de Sexologia Clínica ou a Ordem dos Médicos.

A revista trimestral, sedeada em Guimarães, tem como objetivo chegar à comunidade de 630 mil pessoas portadoras de deficiência existentes em Portugal, como explicou à VISÃO Solidária Sofia Pires, uma das impulsionadoras do projeto.  

Como surgiu a ideia de criar a revista?

O projeto começou a ser pensado em janeiro do ano passado. Há, de certa forma, uma sensibilidade por parte da equipa à temática em questão, que já tínhamos abordado em trabalhos pontuais. Talvez por isso, tivéssemos noção de que não existia nenhuma publicação totalmente dedicada à área da deficiência.

O acesso é gratuito?

O download da revista é gratuito e pode ser feito no site (www.pluralesingular.com) em formato pdf. Além disso, há um link para aceder à visualização online, também disponível na página do Facebook (www.facebook.com/PluraleSingular).  

A que tipos de público pretendem chegar?

Esta revista pretende chegar junto de pessoas com deficiência, cuidadores, instituições, profissionais, empresas e outras entidades ligadas a esta área e a todos os que se possam interessar pela temática.

É possível despertar o interesse de quem não lida com a deficiência para estes temas?

É possível despertar o interesse de todos os que têm curiosidade, que queiram saber mais sobre temas e áreas a que possam não estar diretamente relacionados. Acho, também, que pode interessar a quem queira perceber o que é estar na pele do outro, com diferentes realidades, diferentes problemas. Neste caso, curiosidade de perceber a realidade das pessoas com deficiência.

Capa da primeira edição da revista digital, dedicada ao tema da Deficiência em Portugal