Visão Solidária

Siga-nos nas redes

Perfil

Presidente ajuda o 'coração'

Agenda

  • 333

D.R.

Cavaco Silva deu o seu alto patrocínio à VI Taça Portugal Solidário destinada a angariar fundos para um dos serviços de cardiologia mais reputados do País

A aquisição de um aparelho de telemetria para o serviço de Cardiologia do Hospital de Santa Cruz está assegurada com o produto resultante do torneio de golfe de solidariedade - 40 mil euros -, realizado no último fim de semana, no campo Oceânico Victória, em Vilamoura. O evento teve, como habitualmente, o Alto Patrocínio do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva

O serviço contemplado com a verba angariada este ano "realizou o primeiro transplante cardíaco em Portugal", como recordou o Presidente da República, que aproveitou para aconselhar aos portugueses alguns cuidados de saúde, especialmente no que diz respeito ao colesterol, tensão arterial, etc.

No final do evento, durante o jantar de entrega dos prémios, Cavaco Silva congratulou-se "pelo facto de o espírito de solidariedade ter vindo a reforçar-se no nosso País", relativamente aos mais fracos e necessitados.

"Portugal, neste domínio avança ao arrepio daquilo que se passa na maioria dos países da zona do euro, em que o valor da solidariedade parece estar em declínio, ao mesmo tempo que se reforçam os egoísmos nacionais. Espero que o senhor Draghi (presidente do Banco Central Europeu) dê um contributo para atenuar esta tendência", assumiu o Presidente da República, fazendo uma referência à crise e ao papel do BCE.

Comentário à crise

Já durante o dia, o Presidente havia prestado declarações sobre o momento da quinta avaliação da troika, a incerteza em relação à economia espanhola, a disponibilidade de crédito às empresas e a redução das receitas fiscais.

"O défice é uma variável que as autoridades não controlam" disse o PR, que se mostrou preocupado com o cenário de desemprego e de falência de empresas. "Mais austeridade, só eventualmente para aqueles que até este momento conseguiram escapar aos sacrifícios que foram pedidos aos portugueses."

Sobre a possibilidade de, este ano, o défice ultrapassar os limites impostos pelo memorando da troika, Cavaco Silva disse esperar que os nossos parceiros internacionais "reconheçam o esforço e os sacrifícios que os portugueses têm vindo a fazer" e acrescentou:  "Portugal tem atuado bem nos seus contactos com as entidades internacionais, não falando em mais tempo. Essa é uma questão que, em primeiro lugar, se coloca do lado das entidades internacionais, que fizeram certas previsões que falharam (défice)".

A RTP no campo de golfe

Cavaco Silva também respondeu a algumas questões da comunicação social sobre a RTP, recusando-se, no entanto, a comentar "declarações de consultores do Governo" ou "cenários que não são oficialmente conhecidos."

"O futuro da RTP deve ser analisado com muita ponderação e bom-senso", disse o PR. "Trata-se de um tema muito sensível e de grande delicadeza, pelo facto de prestar um serviço público que, nos termos da Constituição, o Estado deve assegurar. Qualquer alteração do modelo não deixará de ser objeto de uma explicação aprofundada por parte do Governo. Até este momento não existem propostas concretas", garantiu o Presidente.