Visão Solidária

Siga-nos nas redes

Perfil

Os paralímpicos também são de ouro

VISÃO Solidária

  • 333

Trazer o Ouro ao Peito, de Inês Henriques, retrata um conjunto de exemplos de atletas da alta competição no desporto adaptado

DR

Trazer o Ouro ao Peito é o título do livro que compila as histórias de alguns atletas pioneiros e do desporto paralímpico português.

Lusa (com VM)

As histórias de alguns atletas pioneiros e de referência do desporto paralímpico português estão compiladas em 184 páginas do livro Trazer o Ouro ao Peito, da autoria de Inês Henriques.

“Não quero que estas histórias caiam no esquecimento. E não basta estarem perdidas, espalhadas na internet. O desporto paralímpico português merece ser reconhecido e retratado em suporte físico”, explicou à Lusa a ex-jornalista.

Inês Henriques diz que nos anos de jornalismo ligado ao desporto nutriu “interesse crescente” pelo mundo paralímpico e que, agora, com o seu trabalho, espera que “as pessoas vão ao encontro deste tipo de desporto e dos seus heróis”.

O livro retrata um conjunto de exemplos de atletas da alta competição no desporto adaptado, destacando-se Paulo Coelho e Carlos Lopes, do atletismo, e Susana Barroso, da natação, “pioneiros em Portugal na área paralímpica”.

“Conto como era a vida deles. Como lidaram com a deficiência. Como foi a entrada na alta competição e como é o seu dia-a-dia. São várias histórias inspiradoras que merecem ser contadas”, afiança.

Trazer o Ouro ao Peito’ fala ainda das perspetivas lusas para os Jogos Paralímpicos Rio2016 e as dificuldades dos atletas portugueses em comparação com os seus rivais internacionais.