Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

A vida em tons de azul dos surfistas do Rio de Janeiro

O Mar que nos une

Uma fotogaleria para mergulhar no mundo dos surfistas da Cidade Maravilhosa. Um trabalho fotográfico de Ana Catarina, incluído no projeto "O Mar Que nos Une", uma iniciativa da VISÃO em parceria com a Fundação Galp que esteve em exposição no World Press Photo, em Lisboa

As caminhadas no Calçadão de Copacana. Os desportos ao ar livre e o surf fazem parte dos hábitos dos cariocas.
1 / 15

As caminhadas no Calçadão de Copacana. Os desportos ao ar livre e o surf fazem parte dos hábitos dos cariocas.

Uma onda fotogénica. A bancada de pedra junto ao Forte de Copacabana faz com que o mar ganhe aqui uma cor límpida e transparente.
2 / 15

Uma onda fotogénica. A bancada de pedra junto ao Forte de Copacabana faz com que o mar ganhe aqui uma cor límpida e transparente.

Ana Catarina

Na maior parte dos dias, as águas quentes do Rio de Janeiro dispensam os fatos de neoprene para uma surfada divertida entre amigos.
3 / 15

Na maior parte dos dias, as águas quentes do Rio de Janeiro dispensam os fatos de neoprene para uma surfada divertida entre amigos.

Ana Catarina

Os “picos”, as zonas da praia onde estão a dar as melhores ondas, são sempre os mais disputados.
4 / 15

Os “picos”, as zonas da praia onde estão a dar as melhores ondas, são sempre os mais disputados.

Ana Catarina

O Morro Dois Irmãos ajuda a compor a paisagem da Cidade Maravilhosa. É um dos cenários favoritos dos fotógrafos especialistas no desporto.
5 / 15

O Morro Dois Irmãos ajuda a compor a paisagem da Cidade Maravilhosa. É um dos cenários favoritos dos fotógrafos especialistas no desporto.

Ana Catarina

O Rio de Janeiro tem, provavelmente, as mais famosas praias de cidade do mundo. Dentro de água, surfa-se com vista para a linha de edifícios de frente para a Praia de Ipanema. No verão, o programa é abençoado pelo espetáculo de pôr-do-sol visto do Arpoador.
6 / 15

O Rio de Janeiro tem, provavelmente, as mais famosas praias de cidade do mundo. Dentro de água, surfa-se com vista para a linha de edifícios de frente para a Praia de Ipanema. No verão, o programa é abençoado pelo espetáculo de pôr-do-sol visto do Arpoador.

Ana Catarina

Debaixo de água, é a tranquilidade em tons de azul e verde.
7 / 15

Debaixo de água, é a tranquilidade em tons de azul e verde.

Uma prancha de madeira estilo “retro” permite apanhar ondas divertidas.
8 / 15

Uma prancha de madeira estilo “retro” permite apanhar ondas divertidas.

Ana Catarina

Só faltam as asas. Um surfista em pleno voo, impulsionado pela força das ondas.
9 / 15

Só faltam as asas. Um surfista em pleno voo, impulsionado pela força das ondas.

Em apneia azul.
10 / 15

Em apneia azul.

Nem sempre apanhar a vaga é a melhor opção. É preciso saber quando mergulhar e deixar a onda passar por cima.
11 / 15

Nem sempre apanhar a vaga é a melhor opção. É preciso saber quando mergulhar e deixar a onda passar por cima.

Lavar a alma na água salgada.
12 / 15

Lavar a alma na água salgada.

Pés de pato em corpo de mulher, numa praia do Rio de Janeiro.
13 / 15

Pés de pato em corpo de mulher, numa praia do Rio de Janeiro.

Pés de mulher em corpo de sereia, numa praia do Rio de Janeiro.
14 / 15

Pés de mulher em corpo de sereia, numa praia do Rio de Janeiro.

Juliano Cersossimo

15 / 15

Os primeiros vestígios da chegada do surf ao Rio de Janeiro datam da década de 1940, mas foi só nos anos 60, e sobretudo com o advento da cultura hippie nos anos 70, que o universo surfista tomou conta da Cidade Maravilhosa. Sinónimo de simbiose entre o Homem e a natureza, o surf faz parte do estilo de vida saudável e descontraído do Rio, que Ana Catarina capta na perfeição.

Ana Catarina nasceu no Rio de Janeiro e foi aí que descobriu a fotografia. Começou em 2008 e nunca mais parou de mergulhar em ondas gigantes e piscinas translúcidas: a água é o seu elemento, as paisagens aquáticas e os surfistas a sua “praia” como fotógrafa.