Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

250 hotéis em apenas quatro anos

Imobiliário

Kaveh Kazemi/ Getty Images

Lisboa e Porto com o maior número de processos de licenciamento

Em 2018 entraram em processo de licenciamento 81 novos projetos hoteleiros em Portugal, apurou a Confidencial Imobiliário no âmbito da análise ao ‘Pipeline Imobiliário’. O número de novos projetos hoteleiros lançados em 2018 eleva a carteira de hotéis que entraram em licenciamento entre 2015 e 2018 ascende a 256 unidades.

Nestes quatro anos, as Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto são os principais destinos de investimento em novos hotéis (com 35% e 25%, respetivamente, das unidades em carteira), enquanto o Algarve apresenta uma quota de 7%, praticamente duplicada pelo Centro e Norte, com pesos de 15% e 13%. O Alentejo pesa apenas 5%.

A nova oferta em carteira contabilizada em 2018 distribui-se por 37 concelhos, confirmando a crescente pulverização do turismo e do investimento hoteleiro. Lisboa e Porto mantêm-se, não obstante, como os principais destinos deste novo investimento, registando, respetivamente, 19 e 21 unidades em carteira no ano passado. Em 2018, além destas duas cidades, apenas Cascais (3), Coimbra (2) e Alcácer do Sal (2) apresentam um pipeline com mais de uma unidade a entrar em licenciamento.

Em termos de dimensão dos hotéis em pipeline, os dois maiores hotéis a entrar em processo de licenciamento em 2018 apresentam ambos uma área ligeiramente acima dos 15.000 m2, situando-se em Grândola (Carvalhal) e em Gaia. Apenas outras três unidades têm uma área superior a 10.000 m2 (a maior das quais, com 11.500 m2), localizando-se em Lisboa (2) e Cascais. De resto, das unidades contabilizadas em 2018, 13 têm entre 5.000 e 10.000 m2, situando-se a maioria da oferta (três quartos), abaixo dos 5.000 m2, das quais mais de metade têm áreas inferiores a 2.000 m2.

Os dados de pipeline são apurados pela Confidencial Imobiliário no âmbito da análise e tratamento dos pré-certificados energéticos emitidos pela ADENE, os quais têm de, obrigatoriamente, integrar os processos de licenciamento municipal de obras.