Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Lisboa lidera ranking das cidades mais atrativas para investir

Imobiliário

AFP/ Getty Images

Capital portuguesa sobe do 10º para o 1º lugar no ranking da PricewaterhouseCoopers

Marisa Antunes

Lisboa está definitivamente na crista da onda: a capital portuguesa teve este ano uma ascensão meteórica do 10º para o primeiro lugar no ranking das cidades mais atrativas para investir no já tradicional “Emerging Trends in Real Estate Europe 2019”, da PwC da Urban Land Institute, que vai já sua 16ª edição.

A cidade bateu Berlim, que ocupa a segunda posição, Dublin e Madrid, no terceiro e quarto lugar respetivamente. No top 10 surgem ainda Frankfurt, Amesterdão, Hamburgo, Helsínquia, Viena e Munique.

Mais de duas centenas de investidores e operadores de mercado europeus avaliaram, entre outras temáticas, as cidades que mais capacidade de atração para o investimento oferecem neste momento. Apesar da forte concorrência da Alemanha que posiciona três cidades no ranking das dez mais interessantes, todos foram unânimes quanto às vantagens oferecidas por Lisboa para quem investe em imobiliário.

A qualidade de vida que a cidade oferece e o bom ciclo económico que atualmente se vive são pontos positivos para Lisboa.

“Hoje em dia há uma segunda linha de cidades interessantes para investir e que vai além de Londres, Paris ou Frankfurt. E estas cidades, onde se inclui Lisboa, ganham em diferentes áreas como a qualidade de vida ou a liderança positiva”, refere um dos inquiridos no estudo.

Em termos gerais, a capital portuguesa é vista atualmente como um destino internacional para companhias, investidores e turistas”, sublinha-se ainda.

No capítulo das preocupações, o que mais apoquenta aqueles que têm milhões para investir é a instabilidade internacional, logo seguido pelo Brexit. Ainda assim, e apesar da turbulência, Londres continua a ser a cidade que mais capital movimenta. O ano de 2018 fechou com 68 mil milhões de euros em investimento imobiliário para Londres, seguido de 65 mil milhões para a Alemanha e 39 mil milhões para França. Lisboa captou cerca de 3 mil milhões em 2018.

Os custos da construção estão também entre as maiores preocupações dos investidores e promotores. Um promotor alemão referia que em anos anteriores quem desenvolvia projetos imobiliários sabia que conseguiria rentabilizá-los com os preços de venda mas com os custos de construção cada vez mais elevados, essa tarefa é cada vez mais complexa.