Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Claude Berda, o novo Senhor Comporta: "A região é conhecida como a Hamptons da Europa"

Imobiliário

Luís Barra

Claude Berda é um dos homens mais ricos de França e o maior investidor privado estrangeiro em Portugal. Falamos com ele nesta edição da VISÃO, hoje nas bancas, com uma capa dedicada aos franceses que estão a comprar imobiliário no nosso País

Marisa Antunes

Empresário francês, fundador do grupo audiovisual AB Groupe, Claude Berda, 71 anos, surgia posicionado na 71ª posição do ranking dos 100 mais ricos de França, há dois anos, pela revista Challenges. O magnata reside atualmente na Bélgica, mas viveu 17 anos em Genebra, na Suíça, onde se tornou um dos maiores investidores imobiliários do país, após ter vendido uma parte da sua empresa de conteúdos audiovisuais à TF1 (Télévision Française 1). Com a aquisição da Herdade da Comporta, já ganhou também o estatuto do maior investidor particular estrangeiro de Portugal.

Aqui ficam três perguntas a Claude Berda, em destaque nesta edição da revista VISÃO.

O que torna Portugal tão apetecível para o investimento imobiliário?

A Europa é a região mais valorizada e apetecível para se habitar a nível global e, presentemente, haverá poucos países com as vantagens competitivas de Portugal. A simpatia das pessoas, a História e a cultura, a segurança, o custo médio de vida competitivo, a qualidade e a variedade gastronómica, as boas infraestruturas e as múltiplas oportunidades de investimento em diversos setores são alguns dos argumentos positivos. É claramente um País atrativo para os expatriados – como se confirma pelo ranking recentemente publicado pela Forbes, colocando Portugal como o destino preferido.

Os seus investimentos estão concentrados em Lisboa, Comporta e Algarve. Está a olhar para outras regiões?

Quando começámos a investir em Lisboa, sempre tivemos em mente adquirir ativos no Algarve e no Porto. Atualmente, com o reforço de investimento na Comporta, estamos ainda a avaliar a oportunidade de acrescentar novos ativos ao portefólio. O nosso pipeline atingiu cerca de um milhão de metros quadrados e igual dimensão na Suíça, por isso equacionamos ainda realizar investimentos pontuais, caso surjam oportunidades interessantes.

Como definiria o potencial 
da Comporta?

A Comporta é talvez a região portuguesa mais reconhecida internacionalmente, sendo por muitos apelidada como sendo a Hamptons da Europa. É um paraíso às portas de uma importante capital europeia, que importa conservar e melhorar, gerando oportunidades de emprego e de riqueza, desenvolvendo um projeto com uma visão de médio e longo prazo.