Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

VISÃO História em Israel e na Palestina

Visão História

Já nas bancas, o mais recente número da VISÃO História aborda um dos mais complicados conflitos do nosso mundo atual, fazendo luz sobre o que está nas suas origens. Mas também contando, através de três reportagens especiais de Alexandra Lucas Coelho, como se vive hoje, 50 anos depois da Guerra dos 6 Dias, naquela parte do mundo

A jornalista e escritora Alexandra Lucas Coelho conhece como poucos Israel e os territórios palestinianos ocupados. Esteve pela primeira vez naquela zona em 2002, e desde essa altura que regressa regularmente, acompanhando, a par e passo, a atualidade política. Entre 2005 e 2006, viveu mesmo em Jerusalém, enquanto correspondente do jornal Público, o que a leva a dizer que essa é uma das duas cidades do mundo que melhor conhece. O seu primeiro livro, Oriente Próximo, publicado em 2007, reúne o trabalho que foi publicando e desenvolvendo naquela zona do mundo. No mês passado, Alexandra, vencedora do Grande Prémio de Romance e Novela 2012 da Associação Portuguesa de Escritores (com uma história que em parte é passada em Jerusalém, na véspera da morte de Yasser Arafat), nomeada novamente para o Prémio este ano, voltou à Faixa de Gaza, a Jerusalém e à Cisjordânia para escrever uma série de reportagens especiais para o número da VISÃO História que o leitor encontra nas bancas.
Há 50 anos, Israel anexava o setor oriental de Jerusalém, a Cisjordânia e os Montes Golan, numa ofensiva militar, a Guerra dos 6 Dias, que mudou para sempre o Médio Oriente. Há 70 anos, a ONU votava uma partilha equitativa do território, que nunca se concretizaria. E há 100 anos os britânicos comprometiam-se, através da Declaração Balfour, a criar um “lar judaico” na Palestina. Foram essas as datas que serviram de pretexto para a edição da VISÃO História, na qual se explica a importância deste território ao longo de três mil anos (Jerusalém, recorde-se, é cidade santa para três religiões) e os seus principais conflitos.

SUMÁRIO

A Terra Prometida

Prometida a quem? Ao povo hebreu, segundo a sua religião. 
Mas o Cristianismo fez dela Santa e o Islão não se ficou por menos. Persistentes tradições antigas constantemente revitalizadas fazem parte 
do património cultural, ao ponto de ser impossível dissociar esta pequena faixa de terra árida dos mitos fundadores da nossa civilização. Por Luís Almeida Martins

A aventura 
das Cruzadas

Entre 1096 e 1272, a Cristandade (o Ocidente) lançou-se à conquista da Palestina. A pretexto de libertar os Lugares Santos, foi posta em prática uma experiência colonizadora com sequelas até hoje. Por Luís Almeida Martins

Turcos, judeus, árabes e ingleses

Durante 400 anos, até à I Guerra Mundial, a Palestina fez parte do Império Otomano e nela conviviam turcos, judeus, árabes e cristãos. Por Pedro Caldeira Rodrigues

O enigmático Lawrence da Arábia

Figura controversa e algo ambígua, desempenhou um papel de relevo na história da região. Por Pedro Caldeira Rodrigues

Regresso a Sião

A Declaração Balfour foi a primeira grande vitória do movimento sionista, fundado por Theodor Herlz. Por Pedro Caldeira Rodrigues

Promessas, tiros e votos

Durante uns dias, em 1947, as atenções convergiram para um rinque de patinagem. Mas não por razões desportivas. O recinto nova-iorquino foi cenário 
da polémica partilha da Palestina, remate inconclusivo de um processo mal conduzido. Por Luís Almeida Martins

O primeiro embate

O desfecho da guerra de 1948 foi a expansão do Estado de Israel (fundado em 14 de maio) e os inícios 
da ocupação e do êxodo palestiniano. Está na origem de todos os posteriores conflitos na região. Por Pedro Caldeira Rodrigues

O triunfo da limpeza étnica

No rescaldo da derrota árabe, 85% dos palestinianos abandonaram os territórios que Israel foi absorvendo. Foi o início da «Nakba». Por Pedro Caldeira Rodrigues

O fim do colonialismo europeu

No Cairo, Nasser afrontava Londres e Paris e ameaçava Israel. A nacionalização do canal de Suez foi o pretexto para a intervenção militar franco-britânica de 1956. Por Francisco Galope

A guerra inevitável

Durou apenas seis dias, em junho de 1967, mas as suas consequências ainda se fazem sentir 50 anos depois. Os árabes, derrotados, não recuperaram da humilhação. Os israelitas, vitoriosos, tornaram-se «império colonial» e potência nuclear. O Médio Oriente mudou para sempre. Por Margarida Santos Lopes

Uma surpresa previsível

Em 1973, na Guerra do Yom Kippur, Israel foi atacado de surpresa pelos vizinhos árabes. Perto da destruição, foi salvo por uma ponte aérea norte-americana. Por Francisco Galope

De guerrilha a ‘governo

De um pequeno grupo liderado por Arafat, a Fatah transformou-se num dos mais importantes movimentos de libertação. A sua luta armada uniu os palestinianos. O reconhecimento de Israel dividiu-os. Por Margarida Santos Lopes

Um percurso acidentado

As relações Lisboa-Telavive viveram décadas num limbo. Laços com o mundo árabe travaram o reconhecimento de Israel até ao I Governo Constitucional. Decisão seguida, porém, pela aproximação à OLP e a Arafat. Por Pedro Vieira

50 ANOS DEPOIS

Reportagens da enviada especial Alexandra Lucas Coelho

Faixa de Gaza à beira de explodir

Cercada por ar, mar e terra, a Faixa 
de Gaza vive uma crise humanitária inédita. 
Quase dois milhões de pessoas prisioneiras, com falta de eletricidade, água potável e esgotos. A ocupação multiplicou a tensão interna. Por Alexandra Lucas Coelho, enviada especial

Israel , a guerra como estado normal

A vida fácil levada pelos israelitas afastou a paz 
do primeiro plano das urgências. Por Alexandra Lucas Coelho, enviada especial

Cisjordânia 
e Jerusalém: Mil e uma Palestinas

A ocupação gerou um arquipélago de “ilhas” com diferentes necessidades, dificultando a resistência. Por Alexandra Lucas Coelho,, enviada especial