Lisboa,04 jul (Lusa) -- O ministro da Solidariedade e da Segurança Social negou hoje que as casas disponibilizadas pelo Mercado de Arrendamento Social tenham sido "confiscadas" às famílias e salientou que estes imóveis estão agora a cumprir uma "função social".

O Mercado Social de Arrendamento, que arrancou no final de junho com cerca de mil imóveis, foi hoje debatido pelos deputados, na sessão plenária, na Assembleia da República, com a presença do ministro da Solidariedade e Segurança Social.

O deputado Pedro Filipe Soares, do Bloco de Esquerda, questionou Mota Soares sobre a origem dos imóveis disponibilizados no âmbito do Mercado Social de Arrendamento.