O FBI investigou Steve Jobs a pedido do então presidente norte-americano George Bush, que considerava o futuro co-fundador da Apple para ocupar um lugar no Conselho Presidencial de Exportações dos Estados Unidos.

Jobs é descrito como um "pai negligente" e capaz de "distorcer a realidade para atingir os seus objetivos". Ainda assim, o FBI classificou-o como uma homem "íntegro".

Para chegar a estas conclusões, o FBI entrevistou cerca de três dezenas de pessoas.

A investigação ocorreu no início dos anos 90, numa altura em que Steve Jobs tinha sido despedido da Apple... e ainda não tinha voltado à empresa.

"Muitos indivíduos questionam a honestidade do Sr. Jobs", lê-se no documento. Outros descrevem Jobs como alguém que "não é completamente honesto".

Entre as expressões usadas para descrever o fundador da Apple está ainda "um caráter moral suspeito" e "ambicioso".