Exame

Siga-nos nas redes

Perfil

Empresas de canábis nascem como cogumelos em Portugal

Exame

Paulo Alexandre Coelho

As condições privilegiadas de Portugal – bom clima, horas de exposição solar, terrenos baratos, mão de obra qualificada e a preços competitivos, além da clareza na legislação – estão a atrair dezenas de interessados em tornar o País na porta de entrada para o mercado europeu de canábis medicinal. No final de abril, a canadiana Tilray foi a primeira grande multinacional a cortar a fita, com a inauguração das instalações de Cantanhede. Mas já há outras empresas para cá da linha de partida, prontas a lançar raízes à terra num negócio que é de escala global. Artigo publicado na edição de maio de 2019 da revista EXAME

A meio caminho da movimentada estrada que divide um parque empresarial no concelho de Sintra, há uma nave industrial aparentemente igual a tantas outras. Notam-se o ruído das obras e a poeira no ar assim que se entra no edifício. Do cimo do primeiro andar, desde a sala de reuniões envidraçada, é possível ver materiais de construção espalhados num armazém vazio nas traseiras. Em alguns meses, será ali que a Holigen, uma empresa criada em Malta, espera ter a funcionar as suas instalações de cultivo e de transformação de canábis medicinal em Portugal, num espaço com 900 metros quadrados, coberto.

“Estamos a gastar muito dinheiro. É difícil, muito difícil, desafiante. Mas estamos a avançar tão depressa quanto queremos”, explica à EXAME Pauric Duffy, o fundador da Holigen, dona da RPK Biopharma que, no início deste ano, se tornou a quarta empresa em Portugal a receber da Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed) a licença para o cultivo, importação e exportação de plantas de canábis para fins medicinais. É uma das cerca de 40 companhias que, em cerca de ano e meio, registaram na sua atividade económica alguma relação com o cultivo ou a transformação desta planta, nomeadamente para fins medicinais, segundo dados da Informa D&B. Em comparação, de 2014 a 2018 tinham sido criadas apenas dez empresas ligadas ao setor.

Ora se as plantações são de canábis, é já como cogumelos que estas empresas despontam em várias zonas do País. Pela mão de entidades canadianas, israelitas e norte-americanas, mas também britânicas ou alemãs, firmam os pés à entrada da Europa, seguindo os sucessivos movimentos de legalização que podem transformar, numa década, o Velho Continente no maior mercado do mundo para a canábis medicinal. Em Portugal – um ponto mais brilhante no radar depois de, em julho do ano passado, ter autorizado o uso terapêutico da planta –, procuram as boas condições dos solos, o clima favorável e as horas de exposição solar que permitirão produzir com quantidade, qualidade e previsibilidade. Porém, não negam que o preço da mão de obra e os custos competitivos de operação e dos ativos (terrenos baratos) também comandaram a decisão.

“Portugal tem das melhores condições a nível europeu para produção”, sublinha Carlos Nunes, responsável pela área de business & marketing da Pangolin Solutions. A consultora, criada com Gonçalo Cabrita e Eduardo Esteves, foi uma das empresas que aproveitaram a maré de interesse na canábis medicinal e se apresta a ajudar a montar de A a Z o negócio de potenciais investidores. E estes não são só estrangeiros. “Há muitos empreendedores portugueses que têm despertado para esta área de negócio e empresários, com experiência na agricultura, que querem diversificar a produção”, descreve.

Geração de futuro

Veja-se a Sabores Púrpura, empresa agrícola de Coimbra, que, após anos a produzir pequenos frutos e especiarias, se virou para a planta milenar. Em plantações no Alentejo e no Algarve, espera investir €100 milhões, tendo já aplicado cerca de €10 milhões – sem revelar a origem dos fundos. A primeira colheita estará pronta em menos de dois meses. Sofia Ferreira, responsável pelo compliance e pela qualidade na empresa, entrou neste novo negócio também por razões pessoais. “O meu filho tem convulsões e parecia que havia uma mais-valia [nestas substâncias]”, explica à EXAME. O tratamento de transtornos convulsivos graves é uma das sete aplicações terapêuticas, aprovadas este ano pelo Infarmed, para os produtos feitos a partir da canábis. “Dentro de cinco a dez anos, o mundo vai perceber que esta é a futura geração de medicamentos”, adiciona.

Tal como nesta empresa, a tendência no mercado parece ser a da verticalização, desde o cultivo da planta à transformação dos componentes extraídos (canabinoides como o tetraidrocanabinol, THC, e o canabidiol, CBD, aos quais são atribuídos benefícios terapêuticos), obtendo-se produtos finais que possam ser vendidos em mercados como a Alemanha, atualmente o maior da Europa.

Para lá chegar é preciso correr uma maratona, misturada com uma corrida de obstáculos. A licença para cultivo obriga a demonstrar que o projeto segue as boas práticas agrícolas e de colheita (GACP, na sigla em inglês), mas a manipulação das substâncias para o fabrico de medicamentos ou preparações à base da planta tem um crivo mais apertado, envolvendo boas práticas de fabrico de medicamento de uso humano (GMP). Processos que consomem tempo e recursos, arriscando fechar janelas de oportunidades às empresas. Por isso, de acordo com várias fontes no mercado, o Infarmed adotou uma abordagem intermédia, com a passagem de uma espécie de “carta de conforto” que permite aos promotores avançarem com contactos com parceiros e iniciarem os investimentos, mesmo que ainda não tenham obtido as autorizações definitivas.

Foi esse “contrato por objetivos” que permitiu à RPK Biopharma avançar com o investimento global de €45 milhões, em Sintra e também em Aljustrel, no Alentejo, onde está a preparar uma plantação com 65 hectares que será, atualmente, em dimensão a “maior licença mundial para produção” ao ar livre. O projeto, no qual já foram investidos quase €9 milhões, é de potencial interesse nacional (PIN) e criará 150 empregos, um terço dos quais permanentes.

Para o presidente da Câmara Municipal de Aljustrel, esta é a prova de que o sistema de regadio do Alqueva pode criar novas produções e acrescentar uma visão industrial. Outro benefício está no emprego. “Hoje, a nossa taxa de desemprego está abaixo dos 6 por cento. Estes investimentos não só fixam as pessoas que já estão no concelho como dão emprego na sub-região e atraem mais habitantes”, aponta o autarca Nelson Brito.

Investimentos de peso

Entre as quase 40 empresas criadas, a EXAME identificou, em todo o País, mais de uma dezena de projetos ligados à canábis medicinal tornados públicos e supõem um investimento total de, pelo menos, €200 milhões, em particular nas regiões do Alentejo, Algarve, Centro e da península de Setúbal. Ocupando mais de mil hectares, preveem criar, em cinco anos, 1 500 postos de trabalho, no mínimo, parte dos quais muito qualificados.
Carlos Nunes, da Pangolin Solutions, admite ser difícil encontrar um valor de referência para o investimento necessário a estas estruturas, que demoram de seis meses a mais de dois anos a passar do papel à realidade. Estima que sejam precisos entre €5 milhões e
€7 milhões para arrancar, um montante que pode facilmente chegar aos €50 milhões se o projeto incluir a extração das substâncias, o embalamento e a colocação do produto final no mercado.

Desde que chegou a Portugal, há menos de três anos, até cortar a fita das suas novas instalações em Cantanhede, no passado dia 24, a empresa com o investimento mais visível dos últimos anos nesta área no País teve de disponibilizar na ordem dos €20 milhões.

A canadiana Tilray escolheu o País para instalar o seu campus para a União Europeia, que conjuga plantação com investigação, processamento, embalamento e distribuição de canábis médica e produtos medicinais derivados de canabinoides, como cápsulas e óleos. Para a presidente da Câmara Municipal de Cantanhede, Helena Teodósio, a vinda da Tilray teve “bastante” impacto no mercado de trabalho, com a contratação de quadros com formação superior e elevado nível de especialização, entre os atuais 100 colaboradores. A existência do Biocant Park na região, onde estão 40% das entidades e empresas que operam no setor da biotecnologia em Portugal, terá ajudado a atrair a empresa. E a autarquia contribuiu com a compra de 25 hectares de terreno para a ampliação da zona industrial.

A responsável, que espera que o Biocant se reforce como âncora de investimento, revela que a autarquia já foi sondada por outras empresas, que operam no mesmo segmento de atividade da Tilray, e nota que o valor acrescentado dos produtos para exportação da canadiana “valoriza a base económica do concelho”.

Fonte da Tilray explica que a companhia espera obter a licença de exportação para começar a vender para a União Europeia, através dos maiores canais de distribuição farmacêutica, e em particular para a Alemanha. Lá, há uma mão-cheia de entidades com luz verde para importar, mas recentemente o país começou a constituir a própria base de cultivo com a atribuição de licenças. As primeiras colheitas chegarão em 2020, mas a importação será sempre um recurso em caso de necessidade.

A RPK Biopharma e a Tilray estão longe de ser casos únicos na procura de Portugal para servir de avenida para a Europa. Nos últimos anos, conta-se uma dezena e meia de firmas internacionais a criarem as próprias subsidiárias ou a comprarem as que já estavam no mercado, marcando, assim, território. O caso mais recente foi o da Aurora Cannabis que adquiriu, em fevereiro, 51% da portuguesa Gaia Pharma, uma sociedade criada na Madeira pelo advogado Adolfo Figueira Brazão e outros três fundadores. A firma canadiana, que vende para a Alemanha, Itália e Polónia, tinha Portugal nos radares, desde o início do ano passado, quando se começou a falar da possibilidade de se permitir o cultivo e distribuição de canábis medicinal.

“A equipa da Gaia [Pharma] era, de longe, a mais profissional e a que estava mais avançada. Juntos obtivemos os resultados esperados junto do Infarmed, o que nos permite começar a construir as nossas instalações rapidamente”, refere fonte da Aurora Cannabis em resposta às questões enviadas por email. À EXAME, Adolfo Figueira Brazão não revela o valor envolvido no negócio nem o investimento – “será considerável”, diz apenas – nas instalações a situar na península de Setúbal, que ainda aguardam autorização final de cultivo, importação e exportação.

A produção deverá arrancar em 2020, com 50 contratações iniciais para produzir, na primeira fase, duas toneladas de canábis por ano, duplicando na fase seguinte. “O principal objetivo é abastecer o mercado português”, refere o fundador, embora a presença internacional da Aurora, que ambiciona ser o maior produtor europeu, eleja a exportação como destino privilegiado.

A estratégia de aquisições tem sido a forma de crescimento escolhida no setor a nível internacional, em particular das canadianas que, em outubro do ano passado, viram o seu país tornar-se o segundo no mundo, após o Uruguai, a legalizar o consumo recreativo da canábis, pressionando para mais oferta. Em 2018, a Aurora comprou a ICC Labs, que deverá ter 70% do mercado uruguaio, e combinou-se com a MedReleaf. Em ambos os casos, as transações envolveram o pagamento em ações e não em cash. Outro caso: a Flowr comprou recentemente 19,8% da Holigen, mas só 4,8% foram a troca de dinheiro – €4 milhões. A contrapartida restante foi a partilha de propriedade intelectual.

Estas entradas de novos investidores confrontam os acionistas com diluições sucessivas das suas posições e fazem crescer o risco de um pagamento excessivo pelos ativos comprados, até porque vão escasseando as alternativas de crescimento instantâneo, através da aquisição de operações já com alguma maturidade. Analistas têm discutido, aliás, a sustentabilidade da cotação de várias grandes empresas canadianas com presença em bolsa ou a sua avaliação, como são exemplos a Aurora, a Cronos, a Hexo ou a MedMen.

Segundo a Viridian Capital Advisors, entre 2017 e 2018, o número de fusões e aquisições neste mercado duplicou para 260. E as estratégias de crescimento não ficam por aqui. Algumas empresas recorrem ao reverse takeover (compra de uma posição de controlo numa empresa que já esteja cotada, trocando depois ações próprias com ações desta empresa já dispersa em mercado) para aceder, mais rapidamente e com menor escrutínio, ao mercado de capitais. Depois é seguir a estratégia agressiva de compras, adquirir licenças
e criar buzz nas notícias para impulsionar o preço das ações.

Israel na linha da frente

De acordo com a Grand View Research, o Canadá (com 4,6 milhões de consumidores, cerca de um quarto dos quais para fins medicinais), os Estados Unidos da América (com uso recreativo permitido em 10 estados, e medicinal em 33 estados), a par com a Alemanha e a Austrália, poderão tornar-se os principais mercados mundiais para venda de canábis. Já Israel, entre outros países (que desde o final do ano passado autorizou a exportação de canábis para uso medicinal), tem-se afirmado pela investigação e desenvolvimento, desde que aprovou o uso medicinal em 1992, com mais de 50 laboratórios a investigar aplicações.

É desta última geografia que chegam empresas como a IMC, a Together Pharma, a Cann10 ou a Breath of Life que, desde 2016, criaram subsidiárias em Portugal e em alguns casos anunciaram investimentos. De acordo com a Lusa, a Cann10 Portugal quer aplicar €10 milhões para produzir canábis em Vila de Rei e criar uma fábrica com 100 empregos. Já a canadiano-israelita Sababa Portugal quer investir €16 milhões em Campo Maior para explorar canábis para fins medicinais. A EXAME contactou, várias vezes, a responsável da empresa em Portugal, mas nunca foi possível realizar a entrevista.

Mas o exemplo mais antigo da presença de um investidor de origem israelita é o da Terra Verde, criada em 2014, no Montijo, e a primeira a receber autorização para cultivo e exportação de Cannabis sativa. David Zevi Yarkoni é o acionista maioritário da empresa, com 60%, a que se juntou, em março, a figura histórica do PSD, Ângelo Correia, na sequência da saída da GW Pharmaceuticals. Apesar de repetidas tentativas, não foi possível contactar até ao fecho desta edição o fundador da empresa que, segundo o Público, mantinha em 2017 oito hectares de plantações na região de Évora. A EXAME sabe, no entanto, que, depois da chegada de Ângelo Correia ao capital, a empresa está em negociações para a entrada de um potencial parceiro internacional.

Quem diz ter recusado várias ofertas do estrangeiro é a Sabores Púrpura. As plantações já arrancaram para padronizar as variedades de Cannabis sativa e de Cannabis sativa indica, garante Sofia Ferreira. A seguir, prevê construir duas unidades de produção, uma de investigação e outra para medicamentos, de onde sairão sprays nasais e óleos. “Já tivemos propostas de multinacionais, que recusámos terminantemente. Estamos a tentar encontrar parceiros simbióticos”, insiste a responsável. Para trás ficou um caminho de dois anos até a empresa conseguir obter as licenças do Infarmed, semelhante ao percorrido por outras com quem a EXAME falou.

Ao Infarmed cabe regular e supervisionar o ciclo desde o cultivo, incluindo autorizar medicamentos, preparações e substâncias à base da planta da canábis, além de aprovar as indicações terapêuticas. Criou, para tal, um gabinete específico, onde o escrutínio se vai apertando à medida que ganha experiência de análise dos sucessivos casos, esclareceram várias fontes. A preocupação parece ser garantir que há escoamento internacional para o que é produzido, pelo que os promotores se munem previamente de acordos com redes de farmácias no estrangeiro, nomeadamente na Alemanha.

"Não acreditaria na energia que é precisa para fazer isto acontecer. Estive em muitos negócios e este é certamente o mais difícil que já fiz”, refere Pauric Duffy. “O Infarmed não é fácil, mas é mais proativo [do que na Austrália]”, acrescenta, em referência a outro mercado onde a Holigen opera. A EXAME tentou entrevistar um responsável do Infarmed por este trabalho, mas o instituto remeteu para a área do seu site com informação sobre a canábis.

Outra empresa, a Preze, demorou oito meses a obter a licença provisória. Liderada a partir de Mafra por Henrique Sardinha, ainda está a escolher a localização onde fará desde o cultivo em estufa até ao fabrico final. Quer chegar aos 10 hectares em 2021 e produzir entre 80 e 100 toneladas por ano. Henrique também tem uma história pessoal a motivá-lo. Um dos seus melhores amigos sofria os efeitos secundários dos tratamentos com esteroides e cortisona para a sarcoidose. Começou a suplementar com canabidiol e reduziu esses efeitos.

“Temos de fazer disto uma indústria a sério, com rigor e segurança para todos”, defende o gestor formado em Engenharia Biológica, que tem no currículo a passagem por grandes farmacêuticas em Londres. Em março, a Preze fundiu-se com a EDX Biomed e, segundo um comunicado da altura, surgiu a PrezEDX, com um acordo para fornecer 40 mil farmácias na Alemanha e Reino Unido. Portugal, acredita, pode disputar com a Itália ou a Grécia o estatuto de centro de cultivo para a Europa. “O custo por grama é semelhante ao do tomate. (...) Sobreviverá o que tiver um menor custo por grama”, explica o empresário.

Dados da Grand View Research estimam que o mercado mundial da canábis legal atinja €130 mil milhões até 2025, a maior fatia (€88 mil milhões) para uso medicinal, legalizado em 35 países ou territórios. Já a Arcview Market Research aponta para valores consideravelmente mais baixos: consumo legal em 2027 a valer €51 mil milhões e apenas um terço a vir do uso terapêutico.

Em Portugal, os números parecem promissores. The European Cannabis Report, lançado recentemente pela consultora estratégica Prohibition Partners, aponta para um mercado potencial de €1 100 milhões em 2028, vindo a maioria desse valor (€600 milhões) do uso recreativo, ainda por legalizar. E avalia o mercado negro de canábis em Portugal em pelo menos €106 milhões por ano.

“A tendência é a América do Norte ficar com o mercado mais recreativo e a Europa ser a maior base do mercado medicinal. A Europa precisa de chegar a um ponto em que haja legislação homogénea na utilização médica”, defende Eduardo Esteves que tem, na Pangolin Solutions, a área da indústria farmacêutica. Esse caminho parece estar a ser feito. Em fevereiro, o Parlamento Europeu aprovou uma resolução em que apela a uma definição legal clara da canábis medicinal no espaço dos países-membros (em torno dos produtos permitidos e das regras de uso, que variam muito) e ao financiamento da investigação científica em torno das aplicações terapêuticas da planta, além da abrangência por seguros de saúde.

O que (ainda) aí virá

Carlos Nunes diz ter conhecimento de menos de 10 projetos em condições de pedir licença (o Infarmed não confirma), mas que há dezenas com interesse em entrar. Não é difícil encontrar exemplos. No seu relatório de 2018, a canadiana Aphria dizia estar à procura de parceiros estratégicos em Portugal. Kyle Detwiler, o CEO da norte-americana Northern Swan, disse, numa entrevista recente, que Portugal está no radar da empresa especializada em desenvolver produção de baixo custo. A startup Alta Flora Portugal diz estar em contacto com o Infarmed e a contratar pessoal. Em Benavente, uma empresa canadiana não identificada quer plantar 260 hectares. E, em entrevista à Link to Leaders, os responsáveis da startup Funcrops projetavam investir €3 milhões para produzirem mais de 20 toneladas anuais no Fundão. Em Nelas, a Endopure esperava, em dezembro, por luz verde para instalar uma indústria de óleo de CBD para exportação.

Entretanto, em Sintra, a RPK Biopharma continua a preparar-se para, dentro de meses, receber a colheita que será feita em Aljustrel. Enquanto não chega a licença de GMP para desenvolver o ingrediente farmacêutico ativo (API, na sigla em inglês), a empresa pode plantar, colher e armazenar a planta, extrair o óleo e exportar para países que não exijam a certificação GMP ou para fábricas que já a detenham. Exportará logo que esteja certificada, desde que garanta que o produto será usado para fins medicinais nos países de destino. A expectativa é a de que toda a máquina esteja montada em 2021. Antes disso deverá entrar um novo investidor canadiano, com o qual a empresa está em “negociação muito avançada” para levantar o resto do capital necessário. Ir para a bolsa, em Londres ou Frankfurt, também é uma possibilidade em aberto nos horizontes da empresa.

Até lá, chegarão novos players ao mercado. Uns medrarão; outros hão de estiolar como uma planta sequiosa e desaparecer. "Há muitos oportunistas a pairar, muitos. Mas isto não é fácil. Quem não souber o que está a fazer ou não tenha as bases não vai conseguir”, conclui Pauric Duffy. “Haverá muitos falhanços. Os grandes ficarão. É preciso muita garra para lá chegar.”