Exame

Siga-nos nas redes

Perfil

Arcádia celebra 86 anos mas o presente é das crianças

Exame

A chocolateira familiar acaba de anunciar uma parceria de longa duração com a associação A Casa do Caminho. Gama infantil passa a ter um fim solidário

São quatro referências de chocolates para os mais pequenos que vão ser apresentadas no próximo dia 1 de junho, Dia Mundial da Criança, numa espécie de relançamento da gama infantil da quase centenária Arcádia. Mas a maior novidade é que o valor das vendas destes produtos reverterá em 5% para a associação ‘A Casa do Caminho’, porque chegou a hora “de a Arcádia dar mais passos para despertar uma consciência social e ecológica”, explicou à EXAME o atual administrador da Arcádia, Francisco Bastos.

“Tínhamos também vontade de renovar a nossa gama infantil e quisemos criar uma parceria que permitisse envolver as crianças no processo”, revela, explicando que foram precisamente os meninos que atualmente estão acolhidos n' ACasa do Caminho os autores das novas embalagens de chocolates. Para além de carros de chocolate de leite, ursos de chocolate de leite e ursos de chocolate branco, há uma embalagem de bonecos de chocolate de leite e chocolate branco. As crianças foram convidadas a visitar a fábrica, a fazer workshops de pintura de amêndoas e a participar no processo produtivo do chocolate, antes de darem largas à imaginação e poderem desenhar à sua vontade aquilo que a partir de dia 1 de junho poderão ver à venda em todas a lojas da Arcádia.

Para além disso, a marca decidiu também desenvolver um saco reutilizável totalmente fabricado em algodão, ilustrado com os mesmos desenhos das meninas e dos meninos da Casa do Caminho. “Escolhemos esta instituição porque é realmente emblemática no Norte do País. Desde os colaboradores às crianças, todos se mostraram muito disponíveis e entusiasmados com o projeto”, revela o representante da quarta geração da família Bastos, dona da Arcádia. “E mostraram-se também recetivos ao facto de criarmos alguma proximidade com as crianças”, que poucas vezes têm atividades fora da casa-abrigo. .

Conjunto de referências que vão ser apresentadas dia 1 de junho

Conjunto de referências que vão ser apresentadas dia 1 de junho

Formado em Gestão e com carreira feita na City londrina, onde trabalhou na banca de investimento, Francisco admite que este projeto de solidariedade social lhe pareceu demasiado óbvio, sobretudo porque em Londres o “new normal é que todas as empresas tenham um papel socialmente ativo” nas causas solidárias. “Se a nossa iniciativa motivar mais empresas e pessoas, melhor”, afirma. Mas para já, o objetivo é mesmo só devolver à sociedade um bocadinho daquilo que a Arcádia já conseguiu conquistar, salienta.

Não há prazo para que esta parceria se esgote, e o responsável salienta que a gama infantil faz parte dos produtos core da chocolateira, pelo que enquanto houver vendas, haverá retorno para A Casa do Caminho. No mesmo sentido, admite que as embalagens – que a Arcádia gosta de ir renovando de tempos a tempos – deverão continuar a ter, literalmente, as mãos dos meninos que são acolhidos e protegidos pela instituição. “Mas vamos ter outras atividades: vamos continuar a ter visitas à fábrica, oficinas de pintura, e para os mais velhos também visita aos escritórios e, quem sabe, uma espécie de mentoria em várias áreas”.

O administrador da Arcádia confessa que gostava que a empresa tivesse um papel ativo na integração destas crianças na sociedade, e que, tendo a Arcádia “departamentos tão diferentes, se calhar é possível acompanhá-los enquanto pensam na sua carreira”.

A caminho do centenário

De olhos postos no centenário da marca, que se celebrará daqui a 14 anos, Francisco adianta à EXAME que tem “uma vontade muito grande de ver a Arcádia em outros países”, e que a empresa já está a trabalhar nesse sentido. Há três grandes mercados na mira da marca – Reino Unido, onde cada pessoa consome em média 12 quilos de chocolate por ano; Espanha e os países nórdicos – mas a primeira exportação já foi fechada e aconteceu “para uma geografia um pouco fora do nosso radar: o México”, revela. O responsável acredita que a qualidade e o posicionamento da empresa criada pelo seu bisavô em 1933 lhe permitirão conquistar algumas geografias durante os próximos anos.

Atualmente, a empresa conta com 160 colaboradores, divididos entre os escritórios, a fábrica e as várias lojas de norte a sul do País