Exame

Siga-nos nas redes

Perfil

“Mais de 40% das mulheres abandonam a carreira depois da maternidade”

Exame

JOSE CARLOS CARVALHO

Grupo Martinhal convidou especialistas internacionais para falar sobre empreendedorismo e liderança femininos. A empresária Katya Libin, da Hey Mama, defende que as mães regressam mais valiosas ao mercado de trabalho

Quando voltou ao trabalho, depois de ter sido mãe, Katya Libin percebeu que houve várias coisas que mudaram. Sobretudo em termos de apoio por parte das outras mulheres... Foi nessa altura que decidiu criar o Hey Mama, uma empresa que quer ligar e dar formação a mães no mercado de trabalho: “[Nos EUA], 75% das mulheres estão ansiosas por voltar ao trabalho depois de serem mães. No entanto, 43% acabam por abandonar as carreiras”, atira, em jeito de aviso.

“As empresas precisam de perceber que ser mãe dá às mulheres uma série de competências. E as mulheres podem e devem usá-las nos seus trabalhos”, desafia. “Por curiosidade, 25% dos CEO nos EUA sofrem de dislexia. Pessoas como John C. Hammer ou Barbara Corcoran. As probabilidades estavam contra eles, mas conseguiram”, defende. “É um pouco como as mães que querem ter uma carreira.”

A empresária defende que todas as ferramentas que as mulheres (que continuam a ser as maiores prestadoras de cuidados em casa) ganham no seu trabalho doméstico devem ser usadas como exemplo do que é possível fazer no mundo corporativo. “As mães são as Diretoras Financeiras do lar, são as Diretoras de Operação da coordenação familiar, ao conseguir conciliar todas as agendas, os compromissos, as responsabilidades; são as Diretoras de Estratégia em termos da educação e progressão do desenvolvimento; são as Diretoras de Marketing que nunca se esquecem dos aniversários, dos presentes, de tratar de tudo o que é necessário para as celebrações; são as Diretoras do Departamento de Crise, sempre a conseguir conciliar pessoas, diplomáticas…”

“Esta capacidade de coordenar tudo, de estabelecer prioridades faz das mães recursos muito fortes quando regressam ao mercado de trabalho”, garante Katya. E mesmo “quando estão a negociar com os filhos alguma coisa, podem estar a aprender. Usem a mesma técnica para negociar com os vossos chefes”, pede.

Katya, que está agora a tentar garantir a primeira ronda de financiamento para o seu projeto, engravidou precisamente quando a carreira em marketing e vendas “começava a descolar. E de repente não dormia, não tinha tempo para os amigos, não tinha flexibilidade de horário…” Juntamente com uma amiga que conheceu já depois de ser mãe, decidiu então criar o Hey Mama, para tentar acabar com os medos que muitas vezes afastam as mulheres das suas carreiras. Entretanto o Hey Mama já organizou mais de 250 eventos em sete diferentes estados dos EUA, e tem uma rede de milhares de pessoas que se ajudam e encorajam mutuamente. A equipa cresceu para 12 pessoas no espaço de cinco anos.

Criar uma empresa é como criar um bebé? Criar um bebé não é como criar uma empresa? Ambos os casos exigem paciência, dedicação, visão e muito dinheiro”, diz, em jeito de brincadeira, mas chamando a atenção para o facto de ser importante manter a confiança e não ter medo quando se decide ter ou continuar uma carreira depois da maternidade.

Katya Libin esteve esta quarta-feira, 3 de abril, no The Martinhal Entrepreneurship Event, uma conferência sobre liderança e gestão no feminino, onde vários especialistas nacionais e internacionais se juntaram para discutir o tema. É o terceiro ano consecutivo que o Martinhal organiza este evento. A EXAME associou-se à mais recente edição como media partner.