Exame

Siga-nos nas redes

Perfil

Canábis: Canadianos anunciam primeira colheita em Portugal e vão duplicar trabalhadores

Exame

Até agora, só um medicamento à base de canabinoides foi usado em Portugal, em regime de autorização de utilização especial

PA Images/Getty Images

A empresa espera inaugurar oficialmente as instalações de Cantanhede durante a primavera deste ano, anunciou em comunicado.

A Tilray, empresa canadiana de investigação, plantação e produção de canábis, anunciou que já investiu um valor próximo do que estava previsto (€20 milhões) nas suas instalações em Portugal, localizadas em Cantanhede, e que concluiu com êxito a sua primeira colheita de canábis medicinal no País.

Em comunicado publicado esta quarta-feira, 6 de março, a companhia considerou esta colheita como “um marco entusiasmante para a empresa, enquanto continua a construir a sua cadeia de fornecimento internacional de canábis medicinal de alta qualidade,” afirma Sascha Mielcarek, diretor geral da empresa para a Europa.

A empresa diz ainda já ter investido cerca de €20 milhões no “campus” português, onde estão instalados laboratórios de investigação, processamento, embalagem e distribuição para produtos de canábis medicinal ou derivados.

As instalações – que serão oficialmente inauguradas no final desta primavera - estendem-se por 23 mil metros quadrados incluem locais de cultivo interiores, no exterior e em estufa, refere o documento.

Até ao fim do ano o número de trabalhadores deverá duplicar para os 200, para responder às necessidades de produção e colheita nos próximos meses. “Esperamos usar a capacidade da Tilray Portugal para fornecer os mercados de canábis medicinal na Europa à medida que expandirmos as nossas operações,” acrescenta Mielcarek.

Em novembro, por ocasião da Web Summit, a companhia já tinha antevisto começar a exportar a partir da fábrica em Cantanhede para países da União Europeia a partir de março ou abril de 2019. “Vamos começar a produzir na UE para a UE, para uso farmacêutico. Para a Alemanha, Polónia, República Checa, Croácia, Chipre ou Itália. É uma grande oportunidade,” disse na altura o CEO da empresa, Brendan Kennedy.