Exame

Siga-nos nas redes

Perfil

Telmo Santos

Telmo Santos

Co-CEO da EuPago

O burro e a cenoura

Exame

Telmo Santos

A reacção dos bancos à popularidade do MBWAY, via comissões, penaliza comerciantes e consumidores

Lançado em meados de 1985 pela SIBS, o Multibanco é um serviço sem paralelo e que fez de Portugal um dos países mais evoluídos relativamente aos pagamentos. Os portugueses são os únicos no mundo que podem usar qualquer cartão em qualquer lugar, a qualquer hora.

Passados mais de 30 anos, a SIBS lançou um novo meio de pagamento. O MBWAY tem como objetivo ser o serviço de transposição do MB para o telemóvel, que permite fazer compras e transferências imediatas, sendo em torno desta última funcionalidade que a mais recente polêmica se instalou.

Sabendo que para ganhar “tração” o MBWAY necessitaria de uma rede de pagadores muito alargada desde o início, a SIBS “convenceu” os bancos a não cobrarem pelas transferências imediatas. Foi graças a esta “oferta” que o número de utilizadores deste meio de pagamento foi crescendo a um ritmo expressivo. Como consequência do aumento das transferências imediatas através do MBWAY, foi decrescendo o número de transferências feitas por Homebanking/Caixas automáticas, transferências essas onde os bancos aplicam as respetivas comissões.

Os bancos deparam-se agora com uma situação na qual existem custos associados às transferências onde não são remunerados e alimentam um sistema que, tendencialmente, se prepara para efetuar concorrência aos próprios bancos nos pagamentos, desviando ainda utilizadores das APP dos bancos. Apenas assim podemos justificar o início da cobrança de comissões num serviço (MBWAY) que até agora era gratuito. Segundo a SIBS, não existem custos associados ao serviço para os bancos, apenas existindo a necessidade dos mesmos em que os utilizadores recorram às respetivas APP, não utilizando a APP da MBWAY.

Os mais prjudicados

Como sempre, os mais prejudicados são os consumidores e os comerciantes. Os consumidores deixam de ter acesso a uma funcionalidade prática e inovadora. Os comerciantes, pois investiram para ter acesso a vender através deste meio de pagamento, uma vez que a rede de aceitantes estava a crescer de um modo acentuado, cenário este que deverá ser revertido caso a implementação de custos se vier a concretizar.

Telmo Santos

Telmo Santos

Co-CEO da EuPago

Co-CEO da EuPago