Exame

Siga-nos nas redes

Perfil

Apostas online já superam 2 mil milhões de euros

Exame

Quase todo o volume de apostas veio dos jogos de fortuna ou azar, sobretudo das máquinas de jogo. O Estado encaixou no ano passado €66,5 milhões com impostos com jogo online em Portugal, mais 23% que em 2017

A atividade de jogo online em Portugal gerou no ano passado um volume de apostas de €2 431,8 milhões, o que corresponde a uma média de €6,66 milhões por dia. Entre abril e dezembro de 2018, o único período para o qual foi possível obter dados comparáveis, o volume total de apostas cresceu 42,2% face ao mesmo intervalo do ano anterior.

Os dados constam do mais recente relatório da atividade do jogo online em Portugal, disponibilizado no site do Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos (SRIJ) do Turismo de Portugal, segundo o qual a esmagadora maioria deste valor (€2 040 milhões) foi aplicada em jogos de fortuna ou azar, tendo o volume de apostas desportivas à cota absorvido os restantes €391,8 milhões.

No seu conjunto, o jogo online em Portugal gerou uma receita bruta de €152,1 milhões, mais 24% do que no ano anterior. Isto permitiu também aumentar a verba arrecadada em Imposto Especial de Jogo para €66,5 milhões, um incremento de 23% em termos homólogos. Tal como nos anos anteriores, em 2018 o último trimestre voltou a ser o mais forte em termos de receita bruta (€43 milhões) e, com isso, também de Imposto Especial de Jogo (€21,4 milhões). Ambos os valores constituem máximos históricos trimestrais para a série iniciada no terceiro trimestre de 2016 disponibilizada no site daquele Serviço.

As apostas desportivas à cota geraram a maioria da receita bruta anual (€78,9 milhões), enquanto os restantes €73,2 milhões de receita foram gerados pelos jogos de fortuna ou azar. Considerando apenas o quarto trimestre, 61,6% do total de apostas teve origem em máquinas de jogo, ao passo que a roleta francesa gerou 14% das apostas e o póquer não bancado 10,6%.

No final do ano passado havia nove entidades autorizadas a explorar jogos e apostas online no País. No total, estas entidades possuíam 15 licenças, oito das quais para exploração de jogos de fortuna ou azar e as restantes sete para exploração de apostas desportivas à quota. No ano passado foram autorizadas mais duas novas entidades a desenvolver a atividade de exploração de jogos e apostas online e emitidas mais quatro novas licenças.

Porto, Lisboa e Braga com maioria dos jogadores

No último trimestre foram registados 103,5 mil novos jogadores online em Portugal, “valor inferior em cerca de 22% ao registado em igual período de 2017 (132,2 mil novos registos de jogadores),” refere o relatório. No final do ano passado quase dois terços dos jogadores registados tinham entre 25 e 44 anos, ao passo que 25,1% estavam na faixa etária dos 18 aos 24 anos. Cerca de 12,5% dos jogadores tinha mais de 45 anos. A maioria (50,8%) reside no conjunto dos distritos do Porto, Lisboa e Braga.

O número de jogadores que pediu, por sua própria iniciativa, para ser afastado da prática do jogo online ascendeu aos 31,5 mil, representando 2,7% dos jogadores registados – o que coloca o universo total de jogadores em pouco mais de 1,1 milhões.

338 operadores ilegais notificados

O combate à prática de jogo online ilegal levou o SRIJ a notificar no ano passado 338 operadores ilegais para que encerrassem a sua atividade em Portugal, enquanto os prestadores intermediários de serviços em rede (ISP) foram instados a bloquear 270 sítios na internet associados à prática ilegal de jogo. Foram ainda feitas 13 participações ao Ministério Público para instauração de processos-crime.