Exame

Siga-nos nas redes

Perfil

Exportações recuperam fôlego e disparam 18,1% em abril

Exame

Luís Barra

As compras ao estrangeiro também tiveram subidas superiores a 10%. A última vez que o ritmo de subidas das exportações ultrapassou o das importações foi em dezembro do ano passado. Venda de carros de passageiros duplicou num ano.

O comércio internacional deu sinais de aceleração em abril, com as vendas de Portugal ao exterior a dispararem 18,1% em termos homólogos (em relação a abril do ano passado), sobretudo devido às compras realizadas pelos parceiros europeus (onde subiram 21,1%), anunciou o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta sexta-feira, 8 de junho.

Portugal exportou em abril mercadoria no valor de 4.869 milhões de euros (acima dos 4.122 milhões de há um ano e aquém dos 4.956 milhões do mês anterior, março), enquanto as importações subiram 13,1% para 6.123 milhões de euros, na maior subida homóloga desde outubro passado. Também nas compras ao estrangeiro os países intra-União Europeia foram os grandes responsáveis pelo aumento verificado nas importações.

Este ano é a primeira vez que o ritmo de crescimento das exportações se sobrepõe ao das importações - a última vez que aconteceu foi em dezembro passado, quando as exportações cresceram 0,3% e as importações caíram 0,9%. Em relação a abril do ano passado o défice da balança comercial de bens reduziu-se em 39 milhões de euros, para os 1.253 milhões de euros.

As categorias de material de transporte (com um aumento homólogo de 46%, com a exportação de automóveis a mais do que duplicar em relação a abril de 2017) e de fornecimentos industriais (subida de 11,3%) foram as que mais cresceram em termos de exportações, ao passo que nas compras ao exterior os fornecimentos industriais (subida de 18,1%), máquinas e outros bens de capital (crescimento de 17,6%) e material de transporte (mais 15,0%) tiveram as maiores progressões.

As exportações para França e Alemanha cresceram na ordem dos 25%, enquanto para Espanha, principal parceiro comercial, avançaram 17,6%. As vendas a Angola caíram 6,4%.

A beneficiar os resultados de abril estiveram ainda, segundo o INE, efeitos de calendário, já que este ano abril teve mais dois dias úteis do que o mesmo mês de 2017. O trimestre terminado em abril cifrou-se num aumento homólogo de 5,2% nas exportações e de 7,1% nas importações.