Exame

Siga-nos nas redes

Perfil

Portugueses têm de trabalhar quatro meses para ganhar o salário de um dinamarquês

Exame

GettyImages

A disparidade nos vencimentos brutos médios é evidenciada por um relatório da consultora Adecco. O salário em Portugal é metade da média europeia e o décimo mais baixo entre os 28 da UE.

No ano passado, o salário médio bruto auferido em Portugal foi de 1 017 euros, um valor que é pouco mais de metade do praticado em média na União Europeia, que foi de 2 000 euros.

Os dados constam de um relatório divulgado esta semana pela consultora de recursos humanos Adecco e da Barceló y Asociados, o VI Monitor Anual Adecco Salários, que tem em conta informações do INE espanhol e do Eurostat.

Em relação a 2016 o salário médio no País subiu 49 euros (no ano anterior era de 968 euros), uma evolução de 5%, o que compara com a subida de 3,4% na União Europeia, onde o vencimento estava nos 1 934 euros. Em 2016, o salário médio em Portugal era cerca de metade da média europeia, enquanto em 2017 o seu peso aumentou ligeiramente, para 50,85%.

Entre os 28 Estados-membros, o salário médio praticado em Portugal foi o décimo mais baixo no ano passado. Com rendimentos mais reduzidos estiveram os estados bálticos Estónia, Letónia e Lituânia, ou países como Polónia, Hungria e República Checa. Lituânia, Roménia e Bulgária encerram a lista com salários médios abaixo do valor do salário mínimo nacional português.

Acima dos 3 000 euros e a liderar a lista, com as maiores remunerações brutas mensais, estiveram a Dinamarca – com 3 807 euros, quase duas vezes mais a média europeia -, e o Luxemburgo, país onde vive uma grande comunidade de portugueses e onde o salário médio é de 3 228 euros. Irlanda, Holanda, Finlândia, Alemanha e Suécia tiveram salários a rondar os 2 700 euros.

As disparidades salariais no espaço europeu evidenciam-se quando se comparam os extremos. Para alcançar o valor obtido num mês de salário na Dinamarca, contabiliza o relatório, são precisos mais de nove meses de trabalho na Bulgária. Em Portugal é preciso trabalhar quase quatro meses para alcançar um nível salarial semelhante.

Na sua metodologia, a Adecco explica que pelo facto de o Eurostat não publicar dados de salário médio para todos os países foi usada informação da remuneração média por hora e relação entre salário mínimo e médio.