Exame

Siga-nos nas redes

Perfil

Mercados: depois da tempestade, vem a bonança

Exame

Depois de ontem se tingirem de vermelho, as praças acionistas estão esta manhã a negociar com otimismo renovado. A praça lisboeta sobe mais de 1% à semelhanças das congéneres europeias.

Em tempos marcados pela elevada volatilidade dos mercados, praticamente não espanta que depois de um dia marcado pelo pessimismo, as praças europeias estejam esta quinta-feira a ganhar mais de 1%. O Stoxx 600 subia mais de 1,2% ao início da manhã, liderado pelas tecnológicas, naquele que é já o melhor desempenho dos últimos dois meses. Também na Ásia o sentimento é positivo, à medida que se vão erodindo os receios em torno das consequências da guerra comercial entre Washington e Pequim. Não que haja quaisquer declarações ou factos para o sustentar, mas não havendo informação que acentue as preocupações dos investidores, os mercados reagem em alta.

Em Lisboa, o PSI 20 subia mais de 1%, à boleia dos bons desempenhos da maioria das cotadas, com destaque para o BCP que avança mais de 3% e para a Mota-Engil e a Pharol, que registam ganhos acima dos 2%. Já a EDP, que esta quinta-feira tem Assembleia Geral de Acionistas - onde António Mexia será reconduzido na liderança - perdia 0,35%.

Também os futuros norte-americanos dão sinais de uma sessão positiva em Wall Street, esta quinta-feira. O dólar também dá sinais de continuar a subir, com os investidores de olhos postos nos dados sobre o emprego que serão anunciados esta sexta-feira. Segundo as previsões, os números deverão dar conta de uma redução da taxa de desemprego em Março, pelo quinto mês consecutivo.

Até nas tecnológicas se vê alguma recuperação, com o Facebook a negociar em terreno positivo no mercado secundário, no mesmo dia em que a empresa revelou que deverá ter havido acessos individos aos dados da maioria dos seus 2 mil milhões de utilizadores - ou seja, muito para além do escândalo da Cambridge Analytica. Entretanto, ontem Mark Zuckerberg também fez saber que está disponível para falar ao Congresso norte-americano no dia 11 de Abril, para prestar esclarecimentos sobre a política de privacidade da maior rede social do mundo.