Exame

Siga-nos nas redes

Perfil

Jumbo acaba e dá lugar a Auchan

Exame

DR

Ao fim de 45 anos a marca Jumbo vai desaparecer das lojas em Portugal e dará lugar à marca única Auchan. A transformação absorve cerca de metade de todo o investimento previsto para os próximos dois anos no País pelo grupo francês.

A marca Jumbo vai desaparecer do retalho nacional, com a substituição pela insígnia comum Auchan, que também dá nome ao grupo francês que a detém. O anúncio foi feito esta manhã em Lisboa pelo diretor-geral, Pedro Cid.

A alteração de nome vai custar metade do investimento previsto para o mercado português – entre 40 a 50 milhões dos 90 milhões que a marca tem previsto gastar nos próximos dois anos no País. A restante verba será aplicada em “novas aberturas”, disse aquele responsável, citado pela Lusa. Segundo o Eco, serão entre 25 a 30 as novas aberturas previstas. No ano passado a empresa investiu cerca de 60 milhões de euros em Portugal.

Esta é a concretização da intenção que já tinha sido anunciada em setembro do ano passado pelo presidente executivo da retalhista, Wilhelm Hubner. Então, em declarações ao Negócios, o responsável afirmava que “é importante ter uma só marca para ser mais simples para o cliente reconhecer, e não cinco marcas que vão naturalmente criar confusão."

Em Portugal, de acordo com o site da empresa, existem 24 lojas da marca Jumbo, sete Jumbo Pão de Açúcar e três com a insígnia Pão de Açúcar. A empresa tem ainda a marca aplicada em 28 gasolineiras em todo o País e gere a plataforma de vendas eletrónicas Jumbo Online.

Os primórdios da marca remontam a 1970, com a inauguração do então ainda brasileiro Pão Açúcar em Lisboa, na Avenida dos Estados Unidos da América e em 1973 abria o primeiro Jumbo, em Cascais. Os ativos passariam em 1996 para as mãos da Auchan.

Em Portugal o grupo está também presente através da imobiliária Immochan, que recentemente comprou três centros comerciais – Fórum Sintra, Fórum Montijo e Sintra Retail Park – por 411 milhões de euros. A empresa vai investir um valor próximo de 120 milhões de euros no desenvolvimento de dois novos centros comerciais integrados, na região de Lisboa e Vale do Tejo.