Exame

Siga-nos nas redes

Perfil

Google e Amazon interessadas em Portugal? "Não me surpreende", diz diretora-geral da PlayStation

Exame

Paulo Zacarias Gomes

Portuguesa, há dois anos à frente do mercado ibérico das consolas, Liliana Laporte diz que a Sony Interactive Entertainment tem uma equipa "forte" no País e que há portugueses nos principais centros de decisão da companhia.

A líder da empresa responsável pela PlayStation em Portugal e Espanha não estranha que o País pareça ter-se tornado recentemente num íman para grandes tecnológicas internacionais como a Amazon ou a Google. E sublinha o papel dos portugueses dentro da multinacional de origem japonesa.

"Não me surpreende, vejo com uma grande alegria. E espero que cada vez mais talento e valor seja atraído para Portugal," afirma Liliana Laporte, diretora-geral da Sony Interactive Entertainment, depois de na última semana as duas multinacionais norte-americanas se terem manifestado interessadas em entrar no Porto e em Oeiras, respetivamente.

Sem adiantar a dimensão da equipa no País ou se a estratégia da Sony passa por reforçar essa presença, Laporte defende contudo que outros portugueses como ela têm hoje uma palavra a dizer na definição do futuro daquela consola de vídeojogos. "A equipa de Portugal tem uma voz muito ativa a nível da estratégia da PlayStation não só europeia mas mesmo mundial."

Há dois anos à frente da operação nos mercados ibérico e mediterrânico, Laporte esteve esta segunda-feira, 29 de Janeiro, em Lisboa na apresentação do primeiro jogo criado em Portugal para a PlayStation 4, o Strikers Edge, desenvolvido pela Fun Punch com apoio monetário e de mentoring da multinacional desde 2016, no âmbito dos prémios da marca.

Um sinal de aposta num mercado em que a quota da Playstation 4 "é provavelmente das melhores a nível mundial." Por cá, disse à EXAME, a posição estará "claramente acima" da fatia de 57% do mercado que lhe é atribuída a nível internacional pela consultora IHS Markit. Outra empresa de market intelligence, a Newzoo, estima que até Outubro do ano passado a venda de videojogos em Portugal tenha rendido 270 milhões de euros.

Apesar de não revelar dados de vendas parciais por mercado, a empresa diz que tem em Portugal uma comunidade muito atenta e que valoriza experiências muito diferentes, que vão do futebol às experiências first person shooter ou aventura uncharted. Jogadores que se iniciam cedo no contacto com as consolas e se mantêm fiéis à marca. "Não me surpreenderia se encontrássemos um jogador de 80 anos," afirma a diretora-geral.

Com 70,6 milhões de aparelhos a nível mundial e uma média de mais de dois utilizadores por plataforma, a PlayStation tem sido uma “pedra angular” da Sony a nível internacional. Os números mostram o peso: os lucros da empresa cresceram 346% no terceiro trimestre do ano passado e cerca de um quinto (21%) das receitas teve origem na área de Game & Network.