Exame

Siga-nos nas redes

Perfil

O que falta à economia portuguesa?

Exame

Uma página (ou uma capa) em branco é sempre a ausência de algo. Ou o ponto de partida para uma outra coisa qualquer. Para uns, o design ainda é algo que não existe nem faz parte dos seus negócios. Para outros, é só fazer produtos bonitos. E ainda há os que consideram que o design é inovar colocando o consumidor no centro da sua estratégia empresarial – e para esses uma folha em branco pode ser uma coisa maravilhosa, cheia de possibilidades. Nesta edição da EXAME, olhamos para quem está a acrescentar valor à economia portuguesa utilizando o design como uma ferramenta que dá estética e funcionalidade. Conhecemos os designers que vão para além dos rabiscos e desenham verdadeiras estratégias empresariais. E descobrimos como os sectores tradicionais se reinventaram a partir de uma página em branco. A edição de dezembro já está nas bancas.

Exame

Há cada vez mais empresas portuguesas a perceberem que o design é o ingrediente que faltava à receita para vender mais, vender mais caro e vender mais longe. É o caso do mobiliário da Riluc, que chegou ao Palácio do Eliseu, ou dos talheres da Herdmar, que estão à mesa da Casa Branca. Mas também é o caso da Alma de Luce, que exporta peças a 89 600 euros para o Dubai, Qatar, Omã ou Arábia Saudita. Marcas que podiam ser iguais a tantas outras, mas não são. Acrescentam algo. As histórias de sucesso são cada vez mais numerosas e estão em todos os sectores, dos tradicionais aos de base tecnológica.

“A incorporação do design na indústria – além de aliar técnica, tradição, criatividade e qualidade – é uma mais-valia para as empresas enquanto instrumento de inovação dos produtos, tornando-as assim mais competitivas no mercado global”, resume o presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), Luís Castro Henriques. “Um bom exemplo é a indústria do calçado: graças à inovação tecnológica e ao design, os nossos sapatos têm o segundo preço mais elevado do mercado mundial.”

Leia mais na edição de dezembro da revista Exame, já nas bancas