"A diferença de preço entre o gasóleo Gforce e Hi-Energy, ambos da Galp, resulta de uma ação enganosa e estamos perante uma prática comercial desleal", refere a instituição de defesa do consumidor, acrescentando que "as promessas de menor consumo, menores emissões poluentes e maior proteção do motor com poupanças futuras não passam de 'marketing' para cobrar mais uma dezena de cêntimos ao litro".

Estas acusações surgem após um teste realizado pela Deco em quatro carros a gasóleo com quatro combustíveis diferentes, a Galp Force, Galp Hi-Energy, Jumbo e Intermarché, "os líderes de mercado nos seus segmentos", em que o resultado foi "igual ao litro".

Ou seja, segundo a Deco, o gasóleo de baixo custo, o regular ou o 'premium',  após 12 mil quilómetros percorridos com quatro carros idênticos "exibiram  consumos muito idênticos" e, no interior do motor, a organização não vislumbrou  "diferenças relevantes nos depósitos".   

Em matéria de consumo, a Deco mediu as diferenças e considerou "sem  significado", ou seja "0,13 litros aos 100 km entre o pior e o melhor caso,  ou seja, uma diferença de 2%".  

Para a Deco "é urgente criar um regulador para o setor que defenda os  consumidores e fixar coimas realmente eficazes", adiantando que "basta de  alegações enganosas e práticas lesivas".