Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Esta música vem do coração: “É a nossa forma de dar conforto às pessoas. E de mostrar também que somos resilientes"

Todos os anos, a Casa do Povo de Tondela organiza o Tondela em Festa, com magusto, concertos nas igrejas e um torneio de damas e xadrez. A edição deste ano é especial, com um Concerto Solidário já esta quinta, 30, na Igreja de Dardavaz, uma das freguesias mais afetadas pelo incêndio de 15 de outubro

O Coro Polifónico da Casa do Povo de Tondela reúne-se uma vez por semana para ensaiar

O Coro Polifónico da Casa do Povo de Tondela reúne-se uma vez por semana para ensaiar

Foi uma espécie de invasão de palco. Quando soubemos que o Coro Polifónico da Casa do Povo de Tondela iria estar a ensaiar, ligámos a Jorge Henriques, presidente desta sociedade recreativa e desportiva, e fizemo-nos de convidados. Nas instalações da escola de música – ali aprende-se violino, violoncelo, guitarra, piano e acordeão –, funciona a sala de ensaio, onde, uma vez por semana, se reúne o grupo. Homens e mulheres, de todas as idades e profissões, a somar 40 pessoas. “Temos agricultores, médicos, professores, assistentes administrativas, ex-militares, um ex-vereador de câmara e até um polícia. A Margarida Alves tem 15 anos e é a mais nova, enquanto dona Elvira Fonseca conta uns bonitos 75, já na reforma”. O maestro Cristóvão Ramalho conduz as apresentações e dá seguimento ao ensaio. Laudate dominum, de Mozart, pede silêncio e a interpretação sai perfeita.

Em festa até ao Ano Novo

O Tondela em Festa é já uma referência cultural na região e tem este ano uma edição especial. “Começámos com um magusto, na antiga estação de comboios, no passado domingo, 26, e prosseguimos esta semana com uma série de concertos”, diz-nos Jorge Henriques, presidente da Casa do Povo, que organiza o festival. Esta quinta-feira, 30, está marcado um Concerto Solidário que traz à Igreja Matriz de Dardavaz a Orquestra Clássica do Centro para acompanhar o Coro Polifónico. “É a nossa forma de dar algum conforto às pessoas. E de mostrar que também que somos resilientes, apesar das contrariedades”. A entrada não será cobrada, com cada um a contribuir com o que quer e pode. “A quantia angariada será depois depositada na conta solidária para a recuperação das habitações aberta pela câmara municipal”. E em janeiro, no dia 13, o Concerto de Ano Novo, com o Coro Infantil Mozart, de Viseu, será também solidário.

Na sala, o ensaio prossegue à capela, com Natal de Cardigos. A música fará parte – a par de Laudate Dominum, de Mozart – do repertório do Concerto do Advento que acontece já este domingo, 3, na Igreja Matriz de Tondela. Além do Coro Polifónico da Casa do Povo, participam o coro infantil de Tondela e o grupo coral de Ourense, na Galiza, zona também afetada pelos incêndios. “A ideia é promover o intercâmbio de coros e, na nossa história, já temos algumas saídas para o estrangeiro”, vai-nos dizendo Jorge Henriques, nos intervalos em que as vozes se calam. As fotografias tiradas em Espanha, França, Itália e República Checa estão ali para o provar. “Este grupo mantém-se há 13 anos, penso que isso significa alguma coisa. De vez em quando, temos uns arrufos, mas é para isso que serve o nosso jantar anual.”

Baixos, tenores, sopranos e contraltos vão soltando as vozes, mas o tom ainda não está certo. “Vamos lá outra vez”, pede o maestro Cristóvão Ramalho. “Agora tudo junto e afinado”, ouve-se da última fila, em jeito de desafio dado o adiantado da hora. E assim se animam as hostes para mais umas notas.

Além do maestro Cristóvão Ramalho, participa nos ensaios o organista Mário Cruz

Além do maestro Cristóvão Ramalho, participa nos ensaios o organista Mário Cruz

VISITE AQUI O SITE - “Uma Redação com o Coração no Centro de Portugal”

Vamos ter uma redação itinerante no Centro do país durante todo o mês de Novembro, para ver, ouvir e reportar. Diariamente, vamos contar os casos de quem perdeu tudo, mas também as histórias inspiradoras da recuperação. Queremos mostrar os esforços destas comunidades para se levantarem das cinzas e dar voz às pessoas que se estão a mobilizar para ajudar. Olhar o outro lado do drama, mostrar a solidariedade e o lado humano de uma tragédia. Para que o Centro de Portugal não fique esquecido. Porque grande jornalismo e grandes causas fazem parte do nosso ADN.