Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

UM CARROSEL DE REVELAÇÕES

Imagens de Fundo

  • 333

CAROSELLO, de Jorge Quintela, filme vencedor do Grande Prémio 2013.

O Grande Prémio 2013, foi entregue contra todos os prognósticos e favoritismos, a 'Carosello, uma curta-metragem do realizador português Jorge Quintela (Porto, 1981). Trata-se de uma co-produção italo-portuguesa, experimental e produzida ainda no complemento de Guimarães 2012, com a Bando à Parte de Rodrigo Areias. 'Rei Inútil', um filme de estreia do lisboeta Telmo Churro ganhou também com uma certa surpresa o Prémio de Melhor Curta Metragem Nacional, numa competição onde participaram realizadores consagrados, mas sem grandes novidades ao nível criativo. As grandes revelação deste foram mesmo os dois realizadores portugueses premiados.

José Vieira Mendes

'Carosello', de Jorge Quintela, um 'filme de bolso' (tem cerca de 7'), uma obra de características experimentais, tornou-se contra-corrente, num vencedor inesperado e o segundo filme português a alcançar um Grande Prémio de Melhor Filme da Competição Internacional do 'Curtas de Vila do Conde', depois de 'Rapace', de João Nicolau (2006). Na verdade a poderosa Competição Internacional (aberta também às curtas nacionais), contava com excelentes filmes e vários realizadores consagrados, habituées do excepcional certame vilacondense, como, Nicolas Provost ('Tokio Giants'), Sergei Loznitza ('Letter'), Shane Atkinson ('Penny Dreadfull'), a dupla Christoph Girardet, Matthias Muller ('Cut') e o próprio homenageado o cineasta norte-americano Bill Morrison com 'Just Ancient Loops', um filme contemplativo e quase religioso. O surpreendente 'Carosello', pode resumir-se a um ensaio politico de imagens sobrepostas: assenta numa fotografia de um homem de óculos, onde se sobrepôem quase sempre as imagens de um carrosel em movimento, rodadas numa praça de Florença, com uma voz off do actor italiano Vittorio Luciani. Se eu não me engano, trata-se de uma das figuras do Movimento 5 Stele em Itália. Quanto a Quintela, praticamente desconhecido como realizador, tem trabalhado como director de fotografia de curtas e longas-metragens. No entanto, é o autor do documentário 'On The Road To Femina', sobre o músico Legendary Tigerman (2010), e da curta filme 'Ausstieg, que recebeu uma Menção Honrosa na Competição Experimental do 'Curtas' em 2010. Com surpresa, atendendo aos concorrentes, o 'Rei Inútil', de Telmo Churro, acabou por ser um justo vencedor da Competição Nacional. Trata-se de um filme divertido, que conta a história de Tiago (belíssima interpretação do jovem Fernando Rebelo), que se recusa a crescer e apela ao divino para o ajudar no seu insucesso escolar. Pelo registo e pela história, 'Rei Inútil' é um típico 'produto' da marca e da estética da produtora 'O Som e a Fúria', de Luis Urbano, Miguel Gomes e João Nicolau.  Poderia mesmo bem ser (e sem tirar o mérito devido a Churro), um filme dirigido por Gomes ou Nicolau. No entanto, Telmo Churro (Lisboa, 1977) é evidentemente uma excelente revelação pois 'Rei Inútil', é o seu primeiro filme. Ele trabalha regularmente como montador, assistente de realização, anotador e argumentista em outros projectos cinematográficos. Além de vencedor da Competição Nacional, 'Rei Inútil' venceu ainda o Prémio Canal +, que consiste na aquisição dos direitos de exibição pelo importante canal de televisão francês.

 

NOTÁVEIS PREMIADOS

'Gambozinos', de João Nicolau, recebeu uma Menção Honrosa do especialíssimo júri das Curtinhas (um grupo de 15 crianças com idades entre os 6 e os 12 anos), que elegeu 'Room on the Broom', de Max Lang e Jan Lanchauer (Reino Unido), uma lindíssima animação (que conta a história de uma bruxa que é salva pelo seu gato, de uma catástrofe e de um dragão), como vencedor do Prémio de Melhor Filme desta competição, que tem ganho grande importância. No 21º. Curtas Vila do Conde foram ainda atribuídos o Prémio Animação, para 'Gloria Victoria', de Theodore Ushev (Canadá), um filme sobre o bem e o mal, estes representados de uma forma que oscila entre o abstracto e o figurativo; Prémio Documentário para 'Buenos Dias Resistencia', de Adrián Orr (Espanha), um filme de um extraordinário realismo sobre um pai celibatário e desempregado, que vive e trata sózinho dos seus três filhos; e o Prémio Ficção para 'Soft Rain', de Dénes Nagy (Hungria/Bélgica), um filme brutal sobre uma paixão obscena e grotesca de um jovem orfão adolescente por uma colega da escola. Dos prémios do festival saiu ainda a nomeação de 'Cut', de Christoph Girardet e Matthias Mueller (Alemanha), para os Prémios EFA, do Cinema Europeu, na categoria de curta-metragem, um 'finding footage', com muito sangue e que causa muitos arrepios no espectador. O Prémio da Competição Experimental foi para 'I Am Micro', de Shai Heredia e Shumona Goel (Índia), um ensaio marginal sobre a essência da realização e do cinema como medium.

 

OS ARES DE GUIMARÃES

A sempre disputada Competição Nacional, não foi ao contrário de outros anos particularmente excitante e entusiástica. Foi regular e nada tem a ver com a crise ou com o 'ano zero' do cinema português, mas antes com uma 'colheita anual', menos boa, ao nível das curtas-metragens nacionais. De facto, não foi possível assistir a grandes novidades e a obras que se destacassem das restantes, mas antes a um equilíbrio entre os filmes a concurso em particular dos realizados pelos cineastas-autores nacionais, onde se juntaram um bom lote de consagrados, a par de revelações, como os dois jovens realizadores, que acabaram por ser premiados. A nivel nacional a concorrência era forte para Jorge Quintela ('Carosello') com um um conjunto de favoritos à partida: João Pedro Rodrigues ('O Corpo de Afonso', um ensaio histórico sobre a existência ou não do corpo do 1º Rei de Portugal); Ivo M. Ferreira ('Na Escama do Dragão', uma alucinatória viagem sobre o mundo da televisão e da confluência da cultura portuguesa e chinesa em Macau) e João Nicolau ('Gambozinos', um divertido ideário adolescente e algo fantástico, passado num campo de férias). O 21º Curtas de Vila do Conde, foi este ano ano muito marcado e alimentado pelas produções potenciadas e desenvolvidas pela frescura do eixo nortenho de a Bando à Parte (e principalmente na feliz ressaca dos investimentos de Guimarães 2012). E como é habitual pela dinâmica muito particular e objectiva da produtora O Som e a Fúria, que funciona quase como (e não há mal nenhum nisso!) uma extensão do Festival. Destaque ainda para a contínuidade do projecto Estaleiro, da responsabilidade directa da nova área de produção do 'Curtas', em particular para dois projectos que se destinguiram pela sua originalidade: 'Mahjong', de João Pedro Rodrigues e João Guerra da Mata, um ensaio ficcional ao estilo noir 'made in Hong Kong', passado na Varziela, a maior Chinatown do nosso País, que fica nos arredores de Vila do Conde; e 'A Mãe e o Mar', de Gonçalo Tocha, um documentário sobre as mulheres-pescadeiras de Vila Chã, que permanece ainda algo incompleto, que Tocha prometeu finalizar e melhorar. Outro momento alto e para culminar a entrega dos Prémios do Curtas 2013, foi a antestreia de 'Até Ver a Luz', a primeira longa do realizador luso-suiço Basil da Cunha (premiado já duas vezes no Festival), integrado no ciclo 'Da Curta à Longa', filme que chega às salas comercias, a 22 de Agosto.

 

PRÉMIOS 2013

 

Competição Internacional

Grande Prémio "Cidade de Vila do Conde"

Melhor Filme em Competição


CAROSELLO

Jorge Quintela, 2013, Portugal/Itália, EXP, 7'


Prémios para o melhor filme de cada categoria a concurso:

Prémio Animação:

GLORIA VICTORIA

Theodore Ushev, Canadá, 2013, ANI, 7'




Prémio Documentário:

BUENOS DIAS RESISTENCIA

Adrián Orr, Espanha, 2013, DOC, 22'




Prémio Ficção:

SOFT RAIN

Dénes Nagy, Hungria/Bélgica, 2013, FIC, 28'



Vila do Conde Short Film Nominee for European Film Awards

Prémio para a Melhor Curta-Metragem Europeia

nomeação para os Prémios do Cinema Europeu, na categoria de curta-metragem, organizados anualmente pela European Film Academy

CUT

Christoph Girardet, Matthias Mueller, Alemanha, 2013, EXP, 12'

Prémio do Público

Para o filme da competição internacional com a melhor média de votação atribuída pelos espectadores.



*PENNY DREADFUL

Shane Atkinson, EUA, 2012, FIC, 17'

COMPETIÇÃO EXPERIMENTAL

Prémio Experimental


I AM MICRO

Shai Heredia, Shumona Goel, Índia, 2012, DOC/EXP, 14'

 

COMPETIÇÃO CURTINHAS



Prémio Curtinhas

Para o melhor filme da Competição Curtinhas

ROOM ON THE BROOM (BOLEIA DE VASSOURA)

Max Lang, Jan Lanchauer,  Reino Unido, 2012, ANI, 26'



Menção Honrosa (M/3):

THE SMORTLYBACKS (FAZER UM ARCO-ÍRIS)

Ted Sieger, Wouter Dierickx, Suíça /China, 2013, ANI, 5'




Menção Honrosa (M/6):

NYUSZI ÉS ÖZ (A LEBRE E O VEADO)

Péter Vácz, Hungria, 2012, ANI, 17'



Menção Honrosa (M/9):

GAMBOZINOS

João Nicolau, Portugal/França, 2013, FIC, 20'

COMPETIÇÃO NACIONAL

Melhor Filme


 

REI INÚTIL

Telmo Churro,  Portugal,  2013, FIC, 25'



Prémio do Público


Para o filme da competição nacional com a melhor média de votação atribuída pelos espectadores.

 

*LUMINITA

André Marques, Portugal/Roménia, 2013, FIC, 20'

Prémio Canal + (França)

Aquisição dos direitos de exibição de um filme português para o Canal + (França) para um filme exibido no Festival.

REI INÚTIL

Telmo Churro,  Portugal,  2013, FIC, 25'

 

COMPETIÇÃO TAKE ONE!

 

RHOMA ACANS

Leonor Teles, Portugal, 2012, DOC, 14'

17º VIDEORUN RESTART

maratona video 48 horas



1º LUGAR

VOLVENTE

FIC · 2013 · 3'

Abel Oliveira, Jacinta Barreto, Rui Ribeiro

Prémio Canon/Colorfoto: voucher 500€;

Prémio GoPro: 1 câmara GoPro HERO3: Black Edition + LCD Touch BacPac;

Prémio Instituto Restart: voucher formação de 500€ no Instituto Restart

 

2º LUGAR

IRMÃO DE GUERRA

FIC · 2013 · 3'

Lara Leitão, Nelson Silva



3º LUGAR

RESISTÊNCIA AO AMOR

FIC· 2013 · 3' 

Daniel Machado, Dinis Machado, Bruno Costa, Rui Almeida, Cristina Silva