Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

SENTIMENTOS CONTRADITÓRIOS

Imagens de Fundo

  • 333

Gloria de Sebastían Lelio.

A realizadora catalã Isabel Coixet, apresentou na secção Panorama, talvez o seu filme mais íntimo de sempre e feito apenas com dois actores. 'Ayer No Termina Nunca', conta história do reencontro de casal, formado por Candela Peña e Javier Cámara, que se separaram depois de uma tragédia familiar. O chileno Sebastían Lelio, apresentou na Competição a sua terceira longa-metragem intitulada 'Gloria'. E até agora arrancou as maiores ovações e elogios, em relação aos outros filmes a concurso.

José Vieira Mendes

'Ayer No Termina Nunca' começa com um notíciário de radio que fala de mais um resgate económico a Espanha, enquanto um artigo de jornal, noticia Messi a ganhar mais uma Bola de Ouro. Este é o início de uma crónica familiar, marcada pela actualidade, da crise económica e da corrupção. Mas essencilamente  sobre a incapcidade de sonharmos neste contexto de crise um futuro melhor. A história passa-se em Barcelona no ano de 2017 onde a crise se mantêm ao ponto de haver pessoas a dormir nos automóveis, enquanto muitos espanhois imigraram para o estrangeiro. E aos poucos vamos descobrindo o drama de um homem e uma mulher (que já formaram um casal), que se reencontram cinco anos depois em circunstâncias dolorosas para ambos. Ela (Candela Peña) ficou em Espanha, enquanto ele (Javier Cámara) preferiu imigrar para a Alemanha. Por detrás destas duas maneiras de enfrentar a longa crise económica (Coixet faz um previsão pessimista), há um passado e feridas não cicatrizadas que regressam e vão permanecer abertas ao longo de todo o filme. Isabel Coixet em mais um regresso ao cinema espanhol ('Escuchando al juez Garzón', 2011), depois das suas experiências cinematográficas globais ('Elegy' 2008 e 'Mapa de los sonidos de Tokio', 2009) para mais uma história familiar, que foge aos padrões convencionais de seu cinema e estão muito próximos do teatro: filma longos diálogos e longas sequências sobre os protagonistas, só possíveis com várias câmaras e com recurso ao digital. Sem ser um grande obra, sente-se que é feito com poucos recursos, tem o grande mérito de abordar os grandes temas que nos preocupam a todos, para além de ser um poderoso drama familiar sobre a perda, que é impossivel ficar indiferente e não nos tocar o coração.

<#comment comment="[if !supportEmptyParas]"> <#comment comment="[endif]">

O jovem chileno Sebastián Lelio ('Navidad' e 'El Año del Tigre) entrou finalmente com o seu terceiro filme numa competição dos grandes festivais. E curiosamente 'Gloria', foi até agora o filme mais bem recebido e aplaudido pela crítica internacional. Trata-se de uma brilhante tragicomédia de esperanças frágeis e verdades dolorosas, que podem levar à decepção e ao vazio. Mas não deixam de ser lições de vida e apesar da idade há que aprender até morrer. Gloria (Paulina García) é uma divorciada de 58 anos que decide despertar para a vida. Os seus filhos já sairam de casa e por isso não quer ficar sozinha. Determinada desafiar a velhice e solidão, corre um circuito de festas e bailes de 'lonely hearts', à procura de companhia. É então que conhece Rodolfo (Sergio Hernández), um ex-oficial da marinha porque sente uma romântica atração ao mesmo tempo que começa a imaginar uma relação duradoira. No entanto, este inicio de namoro começa a complicar-se, primeiro pelos pouco desafios que proporciona e depois pelos inesperados segredos de Rudolfo. 'Gloria' é um grande filme com notáveis interpretações e diálogos mas essencialmemte é um retrato poderoso e comum de uma mulher de meia-idade (e de um homem também) que consegue afirmar a força, independência e personalidade, apesar do turbilhão de sentimentos contraditórios que lhe aparecem inesperadamente. A história desenrola-se ainda no contexto dos atuais acontecimentos politicos e sociais no Chile (como a greve dos estudantes universitários). E incorporando ainda não só a rapidez das mudanças que demonstram as fragilidades da democracia chilena, como igualmente os turbulentos últimos quarenta anos de história chilena. São o complemento ou a metáfora da experiência pessoal de Gloria, que o filme conta de uma forma brilhante.<#comment comment="EndFragment">