Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

MUITAS IDEIAS, COM IDEAIS

Imagens de Fundo

  • 333

Não, de Pablo Larráin

O filme 'Não', do chileno Pablo Larraín, marca o início oficial, no Cinema São Jorge, do IndieLisboa'13. Ao contrário e simbolicamente trata-se de abrir com um excelente filme da secção Observatório, que é uma grande afirmação de um ano em que este incontornável festival lisboeta, comemora uma década de realização. São dez dias de festival, de 18 a 28 de Abril, carregados de múltiplas sessões, onde é cada vez mais difícil escolher os filmes, pois em todos é sempre possível ver sempre algo de novo e com muitas ideias. 

José Vieira Mendes

'Não', de Pablo Larraín ('Pos Mortem') é mais um sensacional ensaio cinematográfico do realizador chileno para matar definitivamente os fantasmas da ditadura de Pinochet. Curiosamente e não é por acaso, estreia nas nossas salas comerciais no próximo dia 25 de Abril. No Grande Auditório da Culturgest, estreia-se ainda 'Paradise: Love', o primeiro filme da trilogia Paradies (Amor, Fé e Esperança) do cineasta austríaco Ulrich Seidl, que este ano merece destaque na importante secção Observatório, uma selecção de filmes de alto nível de cineastas-autores mais consagrados e reconhecidos. 'Paradise: Love' é um filme que aborda em primeira instância o tema do turismo sexual nas praias do Kénia. Mas é um filme que não se fica por aí. O realizador chileno Pablo Larraín vai novamente buscar a história-ficcionada do seu país para iliminar sem demagogias ou ideais, os restos da ditadura no Chile de Pinochet. Gael Garcia Bernal incarna um jovem publicitário que quase acidentalmente acaba por conceber a campanha pelo 'Não', que vai afastar Pinochet do poder. O filme é um emocionate manual de marketing politico da campanha e da história do final da ditadura: não dos politicos, mas de um homem, de um criativo sem ideais, que acaba de alguma forma por se comprometer e colocar o seu entusiasmo ao serviço de uma causa. As suas ideias foram capazes, de nos bastidores da política, mobilizar os votantes a derrotar o ditador. O austríaco Ulrich Reidl, é como sempre muito ácido nas suas abordagens amorais da sexualidade e do amor. Contudo a intenção de Seidl não é a de fazer um filme-denúncia sobre o turismo sexual. Pois é com um certo humor (e ao mesmo tempo repulsa), que  'Paradise: Amour' conta a história de um grupo de mulheres solitárias, mal amadas e que se relacionam mal com o seu corpo. Por isso procuram homens mais jovens e a sexualidade no mercado. 'Paradise: Amour' é também um excelente ensaio sobre o pós-colonialismo, o poder, a curiosidade da cor da pele, entre a Europa e a África: ou como o explorado (ou colonizado) pode-se tornar no explorador.  Esta noite estreia-se ainda 'Exit Elena', de Nathan Silver, um filme que acompanha a história de uma estranha e misteriosa mulher. Trata-se de um poderoso ensaio sobre o desconforto social e a insatisfação pessoal. Isto é para começar. o que se pode dizer de uma programação de IndieLisboa'13, com mais ideias que Hollywood,  que parece querer continuar a assumir os seus ideais de renovação, ao fim de dez anos de existência.<#comment comment="EndFragment">