Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

FORZA ITÁLIA: LEÃO DE OURO PARA 'SACRO GRA'

Imagens de Fundo

  • 333

Gianfranco Rossi, Leão de Ouro por Sacro GRA.

O Leão de Ouro fica em Itália, graças ao documentário 'Sacro GRA', de Gianfranco Rosi. E Itália e Grácia fazem uma dobradinha nos prémios venezianos: a Taça Volpi foi para Elena Cotta por 'Via Castellana Bandiera', Leão de Prata e Taça Volpi de Interpretação Masculina, para 'Miss Violence' do grego  Alexandro Avranas. 

José Vieira Mendes

Itália volta a triunfar na Mostra de Veneza depois de 15 anos: 'Sacro GRA', o documentário de Gianfranco Rosi, sobre as pessoas, dramas e tragédias passadas no Grande Anel Rodoviário em volta de Roma, convenceu o júri presidido por Bernardo Bertolucci e surpreendeu toda a gente, quando se esperava um Leão mais arriscado para uma obra mais inovadora, militante e com direito à diferença.  A Itália é sem dúvida a grande vencedora e voltou a surpreender com a Taça Volpi de Melhor Interpretação Feminina, para a veterana actriz Elena Cotta, de 'Via Castellana Bandiera', de Emma Dante, uma personagem que não abre a boca, pois passa o filme sem um único diálogo, comunicando apenas com expressões e olhar. O filme grego 'Miss Violence', Alexandros Avranas é outro dos grandes vencedores desta Veneza 70. Um filme que no seu estilo 'nouvelle vague negro' dividiu a crítica, mas conveceu o júri, levando para casa dois prémios, curiosamente os mesmo que 'The Master' levou há um ano atrás: Leão de Prata de Melhor Realizador, e Themis Panou, no papel do perturbante pai grego que usa a violência familiar para sobreviver, recebeu a Coppa Volpi de Melhor Ator. Um dos realizadores favoritos Tsai Ming-liang, com a sua fábula metropolitana 'Stray Dogs', teve de contentar-se como Grande Prémio do Júri. O filme alemão 'The Police Officer's Wife' de Philip Gröning, com 59 longos capítulos de 2-3 minutos intercalados ganhou o Prémio do Júri, compensando, talvez o filme mais difícil, desta competição. Se o cinema de autor assumiu na prática alguns surpreendentes e controversos triunfos, o filme 'arthouse' mais 'vendável foi relegado para um prémio secundário:  'Philomena', de Stephen Frears recebeu um Osella, pelo Melhor Argumento de Steve Coogan e Judi Dench, ficou a ver navios. O Prémio Mastroianni para Melhor Jovem Ator, foi para Tye Sheridan, em 'Joe', do norte-americano David Gordon Green. Esquecidos ficaram sem dúvida, o jovem canadiano Xavier Dolan, em 'Tom à la Ferme', um dos mais entusiasmantes filmes a concurso e o veterano japonês Hayao Miyazaki com 'The Wind Rises', um filme que fecha a sua longa carreira de sucessos no cinema de animação.

PRÉMIOS VENEZA 70

<#comment comment="[if !supportEmptyParas]"> Leão de Ouro: 'Sacro GRA' de Gianfranco Rosi

Leão de Prata: Alexandros Avranas, por 'Miss Violence'

Grande Prémio do Júri: 'Stray Dogs', de Tsai Ming-liang

Prémio do Júri: 'The Police Officer's Wife', de Philip Gröning

Taça Volpi Masculina: Themis Panou em 'Miss Violence'

Taça Volpi Feminina: Elena Cotta, por 'Via Castellana Bandiera'

Prémio Osella para Argumento: Steve Coogan, Jeff Pope, por 'Philomena'

Prémio Mastroianni: Tye Sheridan, em 'Joe'

Leão do futuro - Prémio para Melhor Primeira Obra: 'White Shadow', de Noaz Deshe (Settimana della Critica)

 

Orizzonti

Melhor Film: 'Eastern Boys', de Robin Campillo

Melhor Realização: Uberto Pasolini por 'Still Life'

Prémio Especial do Júri: 'Ruin' de Amiel Courtin-Wilson e Michael Cody

Prémio pelo Melhor Conteúdo Inovativo: 'Fish & Cat', de Shahram Mokri

Melhor curta-metragem: 'Kush', de Shubhashish Bhutiani<#comment comment="EndFragment">



<#comment comment="EndFragment">