Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

DE MALTA COM 'AMOR'...

Imagens de Fundo

  • 333

No final da cerimónia com todos os premiados em palco.

Malta. No sábado, 1 de Dezembro em Valeta (Malta), foram entregues os European Film Awards (EFA), aos melhores do cinema europeu de 2012. Sem surpresa o grande vencedor da noite foi 'Amor' do realizador austríaco Michael Haneke, (o filme estreia esta semana em Portugal), premiado com quatro galardões: Melhor Filme, Melhor Realizador, Melhor Actriz e Melhor Actor, estes para os seus protagonistas Emmanuelle Riva e Jean-Louis Trintingnant.

José Vieira Mendes

'Amor', de Michael Haneke, foi imparável na bela 'noite maltesa' dos Prémios da Academia Europeia de Cinema (EFA) ao receber, embora já esperado, os quatro principais galardões europeus. Pode-se dizer que justificadamente, pois desde a sua primeira apresentação no Festival de Cannes, 'Amor' tem sido aclamado tanto pela crítica como pelo público: ganhou a Palma de Ouro e está apontado pela  Áustria, nas pré-nomeações ao Óscar de Melhor Filme de Língua Estrangeira. A mais que provável nomeação, torna-o imediatamente como um dos favoritos. E esta vitória incontestável nos EFA consolida 'Amor', como a mais importante produção europeia e um dos melhores filmes de 2012.  Já se esperava que fosse mais ou menos assim na cerimónia realizada no Mediterranean Conference Centre (o belíssimo edifício da antiga Sacra Enfermaria dos Cavaleiros de Malta) e mais uma vez apresentada pela actriz e humorista alemã Anke Engelke. Digamos que apesar do grande esforço dos malteses a festa foi um pouco mais morna que os anos anteriores. Talvez mais pelo lado da Academia Europeia de Cinema, que parece não ter conseguido fugir à crise de patrocinadores, como destacou o presidente Wim Wenders. Mas foi bonito de se ver e o glamour não faltou, pese embora como sempre a ausência das grandes estrelas europeias nomeadas (e a culpa não é da Academia!!): Kate Winslet, Gary Oldman, Michael Fassebender, entre outros já que o veterano Jean-Louis Trintignant, fez questão de enviar por video uma mensagem de agradecimento pelo Prémio de Melhor Actor. O filme vencedor do último Festival de Cannes estava nomeado para seis prémios, conseguiu quatro dos principais e a sua noite de glória começou quando o realizador austríaco (que já ganhou em 2005 por Caché, em 2009 por 'O Laço Branco', e foi nomeado por 'A Pianista em 2001) subiu ao palco para receber o Prémio de Melhor Realizador. Infelizmente num discurso em alemão que não deu sequer (e indelicadamente) para a tradutora fazer o seu trabalho. E depois o resto ficou guardado mais para o fim, numa cerimónia de facto construída um pouco à medida dos prémios atribuídos a 'Amor' e diferente do habitual: clips com a apresentação de todos os filmes e dos mais nomeados, só depois introduzidos pelos apresentadores, onde se destacavam os actores e actrizes europeias: Amira Casar (França), Caterina Murino (Itália), Carice van Houten (Holanda), Marisa Pardes (Espanha), Sir Michael Gambon (Reino Unido), Sergi Lopez (Espanha); e os realizadores Carlos Saura (Espanha), Danis Tanovic (Bósnia) e Jim Sheridan (Irlanda). Igualmente sem surpresa, o compositor espanhol Alberto Iglesias foi galardoado com o Prémio de Melhor Banda Sonora por uma adequada música do thriller 'A Toupeira', de Thomas Alfredson (Suécia) já estreado em Portugal. Este filme foi um dos vencedores da noite: ganhou o Prémio de Melhor Desenho de Produção (Maria Djurkovic); 'Vergonha', de Steve McQueen (Reino Unido), arrecadou Prémio de Melhor Direcção de Fotografia (Sean Bobbitt) e Melhor Montagem (Joe Walker). O realizador dinamarquês Thomas Vintenberg, ganhou o Prémio de Melhor Argumento, juntamente com Tobias Lindholm por 'The Hunt', uma aterradora história sofrida por um terno professor (grande interpretação de Mads Mikkelsen) falsamente acusado por uma menina de abusos sexuais, passada numa pequena localidade da Dinamarca. O filme checo 'Alois Nebel' ganhou o Prémio de Melhor Filme de Animação Europeu e o holandês 'Kauwboy', de Boudewjin Koole, foi considerado o Filme Revelação 2012. Na lista das melhores curtas-metragens (onde estava 'Manhã de Santo António', de João Pedro Rodrigues), nomeadas pelos melhores festivais europeus do género, 'Superman, Spiderman Sau Batman', do romeno Tudor Giurgiu, ganhou o Prémio de Melhor Curta-Metragem Europeia 2012. Por último, o filme belga 'Hasta la vista', recebeu o Prémio do Público, atribuído directamente pelos espectadores, onde o filme estreou e 'Hiver Nomade', de Manuel von Sturler (Suíça), foi considerado Melhor Documentário Europeu 2012. Nesta simbólica 25ª edição dos EFA, a actriz britânica Helen Mirren foi homenageada e distinguida pela sua contribução para o cinema mundial, enquanto que o veterano realizador italiano Bernardo Bertolucci recebeu um EFA pela sua carreira. Wim Wenders, presidente da Academia Europeia de Cinema, pronunciou logo no início da cerimónia um discurso sóbrio na defesa da utopia europeia em que destacou o poder unificador do cinema em relação à crise financeira e de identidade que atravessa Europa neste momento. O cinema segundo Wenders, é o 'melhor remédio', para reconstruir essa 'identidade europeia.

http://www.europeanfilmacademy.org/The-Winners.53.0.html

<#comment comment="EndFragment">