Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

CORTINAS RASGADAS

Imagens de Fundo

  • 333

Side Effects, de Steven Soderbergh

Por aqui não se dá pelo Carnaval. E a jornada de terça-feira gorda também não foi das mais felizes em termos de filmes na Competição. O francês Bruno Dumont apresentou um biopic sobre os dias de hospício da escultura Camille Claudel. O iraniano Jafar Pahani marcou a sua presença simbólica este ano como um dos protagonistas do seu último filme 'Clouse Curtain'. Steven Soderbergh continua a dizer que para ele o cinema acabou depois deste 'Side Effects', um filme que parece feito de encomenda.

José Vieira Mendes

Em 'Camile Claudel 1915', o francês Bruno Dumont aponta a sua história ao universo privado da escultora Camille Claudel, (Juliette Binoche) e aos seus últimos dias de vida. O filme passa-se em 1915 e está confinado ao ambiente de um asilo-convento onde a família desterrou a infeliz escultora, que aguarda ansiosamente pela chegada do irmão (o escritor Paul Claudel) que pensa a vem libertar.  Um ensaio duro, muito próximo do teatro que vale essencialmente pelo poder de interpretação e imagem de Juliette Binoche. Em 'Closed Curtain' de Jafar Pahani e Partovi Kambozia, tudo se passa numa casa à beira-mar: um homem (Kambozia Partovi) esconde-se aí com o seu cão para escrever um argumento de cinema supôe-se clandestinamente, pois tapa as janelas com cortinas negras. Uma mulher com tendências suícidas (Mohadam Maryam) aparece e recusa-se a sair. Ao amanhecer, outra chegada surpresa vira estranhamente aperspectiva dos espectadores, no filme que tem mais de política do que cinema e com Pahani preso de ideias.

'Side Effects' de Steven Soderbergh é um thriller psicológico muito estilizado e plástico. Começa muito bem esta história de consequências inesperadas para um promisor psiquiatra (Jude Law), quando receita uma nova droga para tratar da ansiedade a uma das suas pacientes (Rooney Mara). A ideia é boa, e quase parece remeter para uma conspiração que chega as grandes farmacéuticas. Mas depois esvasia-se numa reviravolta, onde o móbil do crime é de natureza sexual. Não foi decididamente um bom Carnaval.

<#comment comment="EndFragment">