Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Women are Heroes: VER PARA QUERER

Estado Crítico

  • 333

women are heroes

O fotógrafo e "urban artivist"  JR fez um documentário. Ou melhor: das salas de cinema a sua galeria



 Mais um artista de rua, que faz dos transeuntes o seu público, e do espaço comum a sua imensa tela. E que para delongar a efemeridade, "o aqui e agora", esta diluição entre arte e vida, resolve cristalizá-la num documentário, como o britânico Banksy ou o brasileiro/americano Vic Muniz, embora o primeiro circule ainda semi-clandestino, empoleirado em andaimes crespusculares a provocar londrinos, e Muniz compareça nas mais reputadas galerias. Este francês, JR, situa-se algures entre os dois: tal como Banksy, serve-se de prédios, pontes, transportes públicos para "expor"; tal como Vic, envolve comunidades carenciadas- alvo, objecto e assunto. JR utiliza a fotografia a preto e branco em formatos XXXXL e notorizou-se quando "postou" fotografias de israelitas e palestinianos, lado a lado, em vários de edifícios de um lado e de outro da faixa de gaza. Neste documentário, ele utiliza uma câmara "infiltrante" de artista de rua, justamente para se enfiar pelos becos e vielas de cimento e lata da favela do Morro da Providência, no Rio de Janeiro, ou no Shantytown de Kibera. Aí penetra nas casas, nos quartos, nos esconsos, e chega perto, demasiado perto, até dentro dos olhos de mulheres de três continentes, Africa, Ásia e América do Sul. E nestes olhos (parece ser esta a tese) tão próximos, tão iguais reside a grandeza, a dignidade, ou a tal humanidade de que tanto se costuma falar. JR há de dar-lhes protagonismo - às mulheres, aos seus olhos e à dignidade que eles transportam - mas antes escuta-lhes as vozes e as tragédias. Como processo cinematográfico não tem grande interesse nem inventividade: as melhores partes são quando JR filma como se fotografasse. Todos os artifícios, os "fast-forward", as câmaras subjectivas ou mesmo colocadas no carrinho de rolamentos parecem servir de sumaúma para encher a almofada de uma longa. Quanto à arte de JR, propriamente dita, esta fica sabiamente para o final. E dela resultam imagens plasticamente impactantes. E só por causa deste filme, não vão parar à sarjeta, em sentido literal, os rostos e olhos de mulheres desfeitos pelos jactos implacáveis da limpeza municipal, os maiores inimigos desta arte não autorizada, quando JR,traz as fotografias para o primeiro mundo, refletidos nas margens do Sena.             

 Women are Heroes

De JR. Women are Heroes. Documentário. 85 min. França. 2011