Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Sentir? Sinta quem lê!

Estado Crítico

  • 333

dentro de casa

A intromissão e a manipulação da literatura num filme muito fora do baralho Ozon (e ainda bem)





Um princípio assim à político (que consiste em omitir verbo auxiliar): Em primeiro lugar... dizer que este é muito provavelmente o mais interessante e intrincado filme de Ozon, que ganhou a fama de ser o realizador das mulheres, depois de ter dirigido atrizes como Catherine Deneuve, Charlotte Rampling, Isabelle Huppert, Emmanuelle Béart... Desta vez, resgata a maravilhosa Kristin Scott Thomas e a sempre indecifrável (mulher de Polanski) Emmanuelle Seigner... Ambas as personagens femininas se encontram em pano de fundo, mas vão-se insinuando até ao primeiro plano. A história (baseada numa peça espanhola de Juan Mayorga, El Chico de la Última Fila) enceta-se com um ano escolar e o enfado de um professor. Os alunos vão passar a andar fardados, ou seja, para o professor de francês, ainda mais "encarneirados", indistintos, desinteressantes... As composições dificilmente ultrapassam as duas linhas e as temáticas não vão fastidiosamente além do telemóvel e da pizza. Com excepção de um aluno, que vai intrigando, envolvendo e finalmente fisgando de forma irreversível o professor, com as suas narrativas voyeuristas, com métodos de Xerezade. O professor interessa-se por ele, projecta nele o escritor falhado de juventude que ele próprio foi, dá-lhe instruções de narratologia, explica-lhe a curva narrativa, os conflitos, os rivais, os obstáculos que se terão de interpor entre o protagonista e o objetivo...E aqui o filme dá guinadas (nem sempre bem conseguidas), entre a sedução da literatura, a manipulação da literatura, a maldição da literatura (o professor é "enxotado" pela mulher com um exemplar de Celine), a fusão indivisível entre ficção e realidade, a obsessão viscontiana pelo rapaz polaco ou simplesmente pela vida alheia, num óbvio registo janela indiscreta. E a esta múltipla temática múltipla cruzam-se duas mulheres antipodais, a curadora de uma galeria de discutível arte contemporânea e outra da classe média, cujo objetivo mais premente da sua vida parece ser a decoração da casa e a construção de uma varanda. E algures entre elas as certezas da matemática e as emoções das metáforas.     

 Dentro de Casa

De François Ozon, Dans la maison, com Bastien Ughetto Denis Ménochet Emmanuelle Seigner Ernst Umhauer Fabrice Luchini Kristin Scott Thomas. Drama. 105 min. França. 2012