Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Feios, porcos e maus mas... intelectuais

Estado Crítico

  • 333

julie delpy

A realizadora regressa a um lugar comum: a família. E as famílias normais não têm nada de especial, é certo, mas a especialidade desta é justamente o lugar comum- no sentido não literal

<#comment comment="[if gte mso 9]> Normal 0 21 false false false PT X-NONE X-NONE MicrosoftInternetExplorer4 <#comment comment="[if gte mso 9]> <#comment comment="[if gte mso 10]>

Julie Delpy é um caso bem instalado na cinematografia, disso ninguém duvida. O seu anterior filme, O Verão do Skylab tinha o encanto da nostalgia dos anos 80. Neste, Julie, atriz, realizadora, argumentista e compositora (a música é uma das componentes bem conseguidas do filme), volta ao lugar do crime, a família, sempre um bom sítios para puxar os vários cordelinhos: conflito, ódio, amor, zangas, reconciliações, humor... E 2 dias em Nova-Iorque arranca muito bem, num registo decalcadamente "woodyallienesco": há travellings sobre nova-iorque ao som de jazz antigo e de uma voz off, há conversas aparentemente banais que falam sobre temas sexualmente embaraçosos, há duas irmãs, uma fotógrafa neurótica e outra psicóloga infantil ninfomaníaca, há até uma galeria de arte e uma vernissage... E não é pecado esta colagem, vale mais uma boa imitação, do que um mau original. O problema é que o registo começa a descambar logo a seguir, entrando no terreno do mau gosto, algo que o mais europeu dos nova-iorquinos, sempre conseguiu evitar. A fotógrafa encontra-se sempre no registo "à beira de um ataque de nervos", vende a alma a Vicent Gallo, himself, (um conceito de "arte conceptual") e consegue ser mais hiperativa que o marido, Chris Rock, um radialista que faz solilóquios para a fotografia de Obama. O filme começa a falhar quando Julie faz humor com os próprios estereótipos dos americanos acerca dos franceses: não tomam banho, andam nus pela casa, têm conversas inapropriadas à frente das crianças, fumam erva no elevador, fazem sexo esquisito com escovas de dentes elétricas, têm más maneiras à mesa, cortam as unhas dos pés na cozinha... E a realizadora insiste bastante nesta escatologia com uma sequência em frames de sanitas e um escaravelho do estrume. Podia ser "just a love story with a happy ending". Mas aproxima-se mais da apreciação que o crítico faz da exposição da fotógrafa: "O tema é bom, a execução é vulgar".

2 Dias em Nova Iorque

De Julie Delpy. 2 Days in New York, com Julie Delpy, Chris Rock, Brady Smith, Alexia Landeau, Vicent Gallo. Comédia. 96 min. EUA. 2012