Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Encontro Imediático com Rui Simões

Cinema

Ilha da Cova da Moura

Depois de Ruas da Amargura, Rui Simões regressa novamente com um cinema de causas. Desta vez, mostra a riqueza e diversidade cultural da Cova da Moura. Não há que ter medo do monstro papão que todos querem abater. Depois de passar no Indie, o filme estreia-se em sala (Lisboa, Porto, Alfragide e Viseu) no dia 13 de Maio

A Cova da Moura talvez seja o maior monstro papão da sociedade portuguesa. Por que a resolveu filmar?

Rui Simões: Com a idade começo a achar que tenho uma costela de militante, apesar de nunca ter sido militante de coisa nenhuma. A dado momento apercebi-me de que ia haver uma operação imobiliária na Cova da Moura, para deitar aquilo abaixo e construir outra coisa. A Cova da Moura sempre foi muito tratada pela televisão e pela imprensa em geral, mas sempre por causa da droga e de histórias de polícias e ladrões. Por isso, seria muito fácil bater naquilo.

 

O que seria injusto?

Mais uma vez, pareceu-me possível ajudar com o cinema a perceber o que realmente se passa. Então, fui lá, comecei a falar com as pessoas, conheci o Moinho da Juventude. Achei que era um absurdo destruir aquele património, uma comunidade de emigrantes capaz de se reinventar como se estivesse em Cabo Verde - reconstruir as suas casas, o seu urbanismo, a sua forma de vida, o seu habitat, com festas tradicionais, gastronomia... E transpor isso tudo para a Buraca, que é um sítio insuportável, criando um bairro dinâmico e agradável, em que as pessoas vivem em comunidade, com a sua cultura original, pacificamente, independentemente da história do tráfego que existe por todo o lado, nos bairros todos. Comecei a contactar as pessoas, a interessar-me cada vez mais, e a fazer daquela a minha causa, com toda a naturalidade. O projecto começou há três, quatro anos, quando houve o arrastão e outras coisas, e pareceu-me que a imprensa não estava a tratar daquilo bem.

 

Foi fácil entrar no bairro?

Sim, a partir do momento em que explicámos o que queremos fazer...respeitamos as pessoas e as pessoas também nos respeitam. A troca começa a fazer-se. Sempre fui bem tratado em Cabo Verde, sempre fui bem tratado na Cova da Moura. Não tenho razão de queixa absolutamente nenhuma, andei com a minha equipa por ali, com as máquinas, os equipamentos, dias e dias. Nos últimos três quatro anos, filmei regularmente ali.

 Procurou olhar para a Cova da Moura das mais diferentes perspectivas...

Sim, tentei evitar apenas aquela especulação sobre o tráfico. Não me interessa para nada, mas está lá. O filme, de resto, começa com a habitual notícia de televisão, sobre a Cova da Moura, mas depois vai-se desconstruindo, à medida que vou descobrindo as pessoas. Quis mostrar que é um bairro onde vive gente e se construiu um universo, que é um património português. E eu tenho direito àquele património. Muito perto de minha casa, posso chegar a um ambiente com hábitos e costumes diferentes dos meus, e que vive como uma comunidade, segundo a tradição de um país que foi colonizado pelo meu durante centenas de anos. Hoje aquilo está ali e eu tenho que o respeitar.

Qual é a próxima investida?

Tenho um segundo filme, em fase de montagem, que surgiu da minha relação com a Cova da Moura. Convidaram-me para apadrinhar um grupo de dança, os Cola Sanjon. O Moinho do Juventude organizou uma viagem do grupo da Cova da Moura à ilha de Santo Antão, onde se celebra a festa de São João Baptista. Acompanhei-os e fiz um filme da viagem destes emigrantes que vão ter com as suas famílias. E também da própria festa religiosa, que é uma procissão em que vai toda a gente a dançar.