Marcada para as 20h00, a declaração de Cavaco Silva será feita no Centro Cultural de Belém, exatamente no mesmo local onde há cinco anos anunciou que se iria candidatar à Presidência da República por um "imperativo de consciência".

Numa cerimónia reservada a jornalistas e a convidados, nas primeiras filas da sala Fernando Pessoa deverão estar a sua mulher, Maria Cavaco Silva, e aqueles que serão os principais protagonistas da sua candidatura, como o diretor da campanha, o mandatário nacional e o mandatário para a juventude.

Há cinco anos, Alexandre Relvas foi o diretor de campanha, o neurocirurgião João Lobo Antunes o mandatário nacional e a fadista Kátia Guerreiro foi mandatária para a juventude.

Nos últimos dias, a comunicação social tem avançado com o nome de Luís Palha, antigo secretário de Estado do Comercio no último Governo de Cavaco Silva, para diretor da campanha da recandidatura do atual chefe de Estado.

Em 2005, a declaração de Cavaco Silva sobre a sua candidatura tinha pouco mais de três páginas, lidas em cerca de oito minutos pelo antigo primeiro-ministro, que falou de um púlpito colocado à frente de 10 bandeiras de Portugal.

"Depois de uma cuidada ponderação, decidi candidatar-me à Presidência da República. Confesso que não foi uma decisão fácil. Faço-o por um imperativo de consciência", disse Cavaco Silva.

Na intervenção, o antigo primeiro-ministro manifestou ainda a sua convicção de que se fosse eleito poderia "contribuir para melhorar o clima de confiança e (...) vencer a situação muito difícil em que o país" se encontrava.