A cimeira extraordinária de chefes de estado e de governo da União Europeia sobre o orçamento comunitário plurianual para 2014-2020 terminou hoje à tarde, em Bruxelas, sem que os líderes europeus tenham alcançado um compromisso.

Apesar do fracasso, o presidente do Conselho Europeu, van Rompuy, disse, em Bruxelas, que há "convergências em grau suficiente" para um consenso sobre o envelope financeiro da União Europeia (UE) no início do próximo ano.

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, concorda, tendo dito que a nova proposta de orçamento comunitário para 2014-2020 é uma boa "base" para um acordo, "talvez no princípio do próximo ano", e "melhor para Portugal" que a anterior.

Passos Coelho falava no final de uma cimeira extraordinária de chefes de Estado e de Governo da UE consagrada às negociações do quadro financeiro plurianual, que terminou hoje em Bruxelas sem um acordo, que ficou adiado para o início de 2013.

Quanto às preocupações de Portugal, o primeiro-ministro, escusando-se a "entrar em detalhes", disse que foram dados passos positivos, embora haja ainda trabalho pela frente.