Segundo disse à Reuters a porta-voz da ONU, Melissa Fleming,  não se sabe para já se o Sudão estará por detrás do ataque, mas os governo Sudanês e do Sudão do Sul (que se tornou independente do norte no ano passado) têm o hábito de trocar acusações mutuas de apoio a insurgências armadas no território um do outro.

O nível de contenda escalou  ontem, com o Sudão do Sul  a parar a produção de petróleo, acusando o Norte de roubar 815 milhões de dólares em petróleo bruto que era canalizado por oleoduto através do Sudão para ser embarcado.

As Nações Unidas informaram que transferiram já  1.140 refugiados para longe da fronteira, a que se seguem mais  4.000.